Agora, vai: finalmente o tão falado spin-off de Gossip Girl tem roteiro e até data de exibição confirmados.

Em dezembro surgiu a notícia que a emissora The CW havia encomendado um spin-off (uma série derivada) de Gossip Girl a Josh Schwartz e Stephanie Savage, criadores da série sobre a elite adolescente do Upper East Side. Pouco tempo depois, Kristin dos Santos, colunista do E! Online negou toda a história, e disse que um spin-off da série não sairia tão cedo.

Mas agora a história foi confirmada: em entrevista ao The Hollywood Reporter, Schwartz confirmou que o piloto do spin-off já foi escrito, e tem data para ser exibido: no dia 11 de maio, no lugar de um episódio “normal” de Gossip Girl.

Ao contrário do que apontavam os rumores do fim do ano passado, a série não vai se focar na história de Jenny Humphrey. Nada disso: o spin-off, que ainda não tem nome definido, vai mostrar a adolescência de Lily van der Woodsen nos anos 1980.



A adolescência de Lily vai ser o tema do spin-off de Gossip Girl
Foto: Giovanni Rufino/The CW



Atenção: esta notícia tem revelações sobre episódios de Gossip Girl que ainda não foram exibidos no Brasil. Quem não quer estragar a surpresa pode parar de ler por aqui!

Lily cresceu em um lar cheio de mordomias. Mas após uma briga com seus pais, a garota vai morar com sua irmã, a ovelha negra da família. Com a mudança, Lily deixou para trás o conforto do lar e os estudos em um internato, e vai conhecer a realidade do ensino público e de uma vida bem mais modesta.

Mas ela também vai se divertir: Lily vai mergulhar no estilo de vida na Hollywood dos anos 1980, onde conhece Rufus Humphrey e mantém uma gravidez em segredo.

A atriz que vai viver a jovem Lily ainda não foi escolhida, bem como o resto do elenco. Na entrevista, Schwartz afirmou que não queria “perturbar a química do nosso elenco — todos são essenciais para a série”, o que explica porque ele decidiu criar uma série sobre o passado de Lily, evitando, assim, de tirar algum protagonista do elenco atual de Gossip Girl.

“Nós fomos inspirados pela oportunidade de criar histórias que se cruzam e introduzir personagens que vão aparecer no passado e no presente — e, com sorte, enriquecer as duas histórias”, completou Schwartz.