Desde 2005, Grey's Anatomy conquista o público e a crítica através de seus personagens, romances e casos médicos inacreditáveis, em uma abordagem emocionante, digna de maratonas. O drama médico também ganhou fama ao desenvolver diversos temas relevantes e atuais para cada um de seus anos na ativa.

Contudo, alguns arcos no enredo foram considerados desnecessários e, em casos específicos, totalmente contraditórios para a história de forma geral. Afinal, é desafiador manter uma qualidade inquestionável ao longo de seus mais de 15 anos de existência.

A 16ª temporada de Grey's Anatomy foi concluída na última quinta-feira (09), nos Estados Unidos. Pensando em toda a sua trajetória, criamos uma lista das piores às melhores temporadas da série (sem considerar a última). Confira!

Temporada 10

Sandra Oh e Ellen Pompeo em cena de Grey's Anatomy ABC/Reprodução 
Sandra Oh e Ellen Pompeo em cena de Grey's Anatomy

Apesar de manter bons índices de audiência em um longo período, a 10ª temporada revelou e teve foco em características ruins de alguns personagens. Com isso, o enredo geral destacou o desgaste e eventual fim de relacionamentos, como o de Callie (Sara Ramírez) e Arizona (Jessica Capshaw), além de Meredith (Ellen Pompeo) com Derek (Patrick Dempsey).

Com um início instável, sem apresentar de forma clara qual seria o direcionamento daquele ano, a atração ficou um pouco entediante e parecia colocar em risco futuras tramas. Além disso, é impossível esquecer a saída de Cristina (Sandra Oh) da série, que apesar de fazer sentido para a história, foi uma despedida devastadora para os fãs.

Temporada 7

Callie, vivida por Sara Ramírez ABC/Reprodução 
Callie, vivida por Sara Ramírez

Ao buscar continuidade à tendência da época, na qual cenas musicais estavam presentes em muitas atrações, o esforço de Grey's Anatomy ficou sem muito sentido para seu formato e dividiu muito a opinião do público. É certo que apenas esse momento não foi suficiente para “consagrar” o ano como um dos piores, mas mostrou caminhos desesperados para o seriado.

Outro rumo que contribuiu para isso foi o desenvolvimento de alguns triângulos amorosos, tais como: Lexie (Chyler Leigh), Mark (Eric Dane) e Jackson (Jesse Williams); Arizona, Callie e Mark; Teddy (Kim Raver), Andrew (James Tupper) e Henry (Scott Foley). Isso repetiu uma fórmula já muito explorada e tornou a 7ª temporada uma novela melodramática e sem muita da ação característica da série.

Temporada 4

O casal George e Izzie ABC/Reprodução 
O casal George e Izzie

A 4ª temporada apresentou uma queda na qualidade da série, em parte devido a problemas de bastidores: pela primeira vez, houve a saída de um personagem central. No caso, o ator Isaiah Washington, que interpretava o Dr. Burke, foi demitido após comentários ofensivos contra seu colega de elenco T.R. Knight, intérprete de George. 

O período também foi criticado por transformar Meredith em uma personagem egoísta em decorrência de seu comportamento com a chegada de sua irmã, Lexie.

Além disso, a atração foi impactada pela greve de roteiristas entre 2007 e 2008, que interrompeu sua produção e reduziu a quantidade de episódios originalmente planejada, gerando reflexos na trama. 

Um de seus pontos baixos foi o relacionamento entre George e Izzie (Katherine Heigl), arco no qual a atriz se referiu como uma “manobra de audiência” e se recusou a ser indicada em premiações daquele ano devido à falta de desenvolvimento nesse sentido.

Temporada 15

Os personagens Nathan e Andrew DeLuca ABC/Reprodução 
Os personagens Nathan e Andrew DeLuca

O relacionamento entre Meredith e DeLuca (Giacomo Gianniotti) não agradou parte da audiência, apontado como um casal “sem química”. A história para fazê-los ficarem juntos foi amplamente abordada ao longo da temporada e não apresentou os resultados esperados.

O período ainda teve a partida de 3 personagens importantes para histórias passadas: Arizona, April (Sarah Drew) e Nathan (Martin Henderson). Além disso, trouxe um nevoeiro para agitar a trama em um novo evento catastrófico — que a série gosta tanto de usar — sem uma boa conclusão.

Temporada 13

Após alguns problemas, Eliza Minnick foi chamada para fazer uma auditoria no hospital ABC/Reprodução 
Após alguns problemas, Eliza Minnick foi chamada para fazer uma auditoria

O grande arco explorado na 13ª temporada foi uma espécie de “guerra civil” gerada pelos casos de tiroteio e queda de avião no hospital. Isso fez com que Eliza Minnick (Marika Dominczyk) fosse chamada para realizar auditorias no local, o que levou a diversos conflitos entre os médicos.

Tal personagem não agradou muitos os fãs, pois ela enfrentava outras figuras do elenco já conhecidas e amadas. Em adição, seu romance com Arizona não agradou. Outro ponto negativo foi mais um triângulo amoroso, agora entre Meredith, Maggie (Kelly McCreary) e Nathan, enquanto os diálogos entre as médicas beiravam a infantilidade.

Temporada 11

A despedida de Derek Shepherd da atração ABC/Reprodução 
A despedida de Derek Shepherd do seriado

Conhecida como a temporada que matou Derek Shepherd, o grande desafio para os roteiristas foi explorar novos enredos após a saída dele e de Cristina Yang. Tais perdas deveriam ser desenvolvidas com mais peso emocional para Meredith. Apesar disso, Pompeo entregou ótimas performances.

Aparentemente, o foco foi acabar com os casais já estabelecidos em Grey's Anatomy. Além de Derek e Meredith, vimos o divórcio entre Callie e Arizona e o fim do relacionamento entre April e Jackson, após a trágica perda de seu filho. Esse enredo limitado fez com que a série tivesse a pior audiência desde seu início.

Temporada 12

Amelia (Caterina Scorsone) e Maggie (Kelly McCreary) ABC/Reprodução 
Amelia (Caterina Scorsone) e Maggie (Kelly McCreary)

Após tragédias em temporadas passadas, esta fase trouxe um tom mais leve. Ele foi inclusive descrito por Shonda Rhimes, criadora da série, como um “renascimento” tanto para a protagonista quanto para a história como um todo.

Diversas novas possibilidades começaram a ser exploradas, em especial a dinâmica entre Meredith, Amelia (Caterina Scorsone) e Maggie. A amizade de Alex Karev e Meredith também foi amplamente desenvolvida e capaz de mostrar a boa interação entre dois dos membros mais antigos do elenco.

Temporada 9

As novas internas ABC/Reprodução 
As novas internas

A 9ª temporada apresentou mais internos no hospital, o que trouxe novas histórias não somente pela trama dos novatos, mas principalmente por meio da relação entre eles e os médicos veteranos. Assim, a etapa recebeu uma avaliação positiva por parte da crítica.

Em adição, Grey's Anatomy soube equilibrar esse “frescor” com eventos tristes, ocasionados pela queda do avião responsável pela morte de Lexie e Mark. O falecimento de Adele (Loretta Devine), esposa de Richard (James Pickens Jr.), foi outro acontecimento trágico que marcou o período.

Temporada 14

Cena trouxe um dos diálogos mais impactantes da série ABC/Reprodução 
Cena entre os personagens trouxe um dos diálogos mais impactantes da série

O grande erro da 14ª temporada foi não dar tanto espaço para o desenvolvimento de personagens novatos. Contudo, vale apontar a importância que a fase teve ao discutir temas sociais tão relevantes e de modo natural.

Questões como diversidade, preconceito, ciberterrorismo e abuso doméstico dominaram a atração, o que gerou mais audiência por novos motivos. Isso ainda ajudou o programa a explorar outros potenciais após ser marcado por algumas saturações.

Temporada 5

Kevin McKidd, como Owen Hunt ABC/Reprodução 
Kevin McKidd, como Owen Hunt

Em um conjunto de histórias envolventes e ao equilibrar drama com humor, a 5ª temporada de Grey’s Anatomy apresentou um dos melhores arcos de toda a série. Além disso, introduziu os personagens Owen Hunt (Kevin McKidd) e Arizona Robbins.

Foi também o período que abordou o câncer de Izzie, arco no qual a comunidade médica elogiou a série por ampliar a conscientização pública sobre o tema ao destacar a importância da prevenção, detecção precoce e pesquisa.

Temporada 8

Cena do avião no final da temporada ABC/Reprodução 
Cena do avião no final da temporada

Nesta temporada, o relacionamento de Meredith com Derek foi mais bem desenvolvido ao partir de tentativas de reconciliação com os desafios na adoção de sua filha, Zola. Outro importante ponto foi a mudança na ala da chefia do hospital devido à saída de Richard do cargo e à tomada do posto por Owen — algo que mostrou a difícil adaptação de ambos ao novo cenário.

O momento no qual Cristina decidiu interromper sua gravidez também foi mais um evento marcante para a TV. Isso teve grande impacto para a audiência no horário nobre de exibição da série e era um tema de interesse de Rhimes desde a 1ª temporada. 

Além dessas histórias, o final daquela etapa apresentou o famoso acidente de avião, que chocou os fãs.

Temporada 3

O  ABC/Reprodução 
O "casamento" de Burke e Cristina

A temporada continuou a tratar dos desafios dos internos em conciliar suas carreiras diante de muita competitividade e dificuldades em suas vidas pessoais. Várias foram as tramas que podem ser consideradas inesquecíveis para a história da série, entre elas: Burke abandonando Cristina no altar, após todo o risco que ela tomou ao tentar esconder os tremores de mão que ele tinha; o afogamento de Meredith e a despedida de Addison (Kate Walsh).

Vale apontar a relevância que Mark e Callie tiveram nesse ano, apesar de terem sido apresentados na temporada passada. Contudo, alguns arcos poderiam e deveriam ter sido abordados de forma diferente (ou nem existido), como a relação de Alex com Ava (Elizabeth Reaser) e o início do romance entre Izzie e George.

Temporada 6

Uma das cenas do tiroteio no hospital ABC/Reprodução 
Uma das cenas do tiroteio no hospital

Para os fãs que até então poderiam achar que Grey's Anatomy já havia atingido seu ápice, a 6ª temporada relembrou o quão fantástica a série podia ser. Em uma lenta construção de tensão ao longo de seus episódios, o final foi um dos mais angustiantes de toda a história da TV.

Considerado um dos melhores capítulos da atração, a sequência do tiroteio dentro do hospital apresentou um roteiro impressionante e cheio de reviravoltas que, inclusive, rendeu ótimas atuações. Apesar do tom sombrio de toda a temporada, certamente foi uma de suas fases mais memoráveis.

Temporada 1

Uma das primeiras cenas de apresentação dos personagens da série ABC/Reprodução 
Uma das primeiras cenas de apresentação dos personagens na série

Logo em sua estreia, Grey's Anatomy se provou uma produção diferente do que o público estava acostumado. Ao renovar o gênero de drama médico na televisão, através de sua marcante trilha, humor, personagens cativantes e roteiro, parecia controlar a experiência de sua audiência.

Tais fatores contribuíram para torná-la altamente viciante nas telinhas, apesar de sua longevidade. Vale lembrar que a temporada apresentou o uso do termo — em inglês — “seriously” de maneira tão peculiar, tornando-o conhecido na cultura pop.

Temporada 2

Derek e Meredith ABC/Reprodução 
Derek e Meredith

Após o sucesso inicial, o 2ª ano recebeu mais espaço para desenvolver seus personagens com maior complexidade. Com famosas cenas, como as do elevador, no bar do Joe e com memoráveis pacientes, a fase foi aclamada pela crítica e se tornou a favorita de muitas pessoas.

O triângulo amoroso, agora entre Meredith, Derek e Addison, rendeu grandes histórias e conflitos, além de muita torcida do público. Além desses, o complicado relacionamento entre Izzie e Denny (Jeffrey Dean Morgan) é até hoje um dos enredos prediletos e famosos, até para quem não é fã de Grey's Anatomy.

E aí, quais outros acontecimentos da série poderiam contribuir para a classificação desta lista? Em que posição você colocaria a 16ª temporada?

Texto escrito por Ricardo de Carvalho Isídio via Nexperts.