Pete McTighe e Chris Chibnall, escritores de Doctor Who, têm variado bastante nas temáticas abordadas nessa nova temporada. Enquanto os episódios anteriores, como “Fugitive of the Judoon”, estão repletos de reviravoltas, o mais recente tem uma fórmula mais simples, lembrando os momentos mais clássicos de Doctor Who.

Porém, esse recap mostra que essa estrutura passa longe de ser ruim.

A história de “Praxeus”

Nesse episódio, cada personagem está passando por situações específicas. Enquanto Ryan está investigando uma praga que afeta os pássaros locais do Peru, Gabriela procura por Jamila, que está desaparecida.

Já em Hong Kong, a busca de Graham e Yaz por uma energia estranha leva até Adam, um astronauta que foi sequestrado, e Jake, seu marido. A Doutora, por sua vez, está em Madagascar, separada de todos.

O ponto central do novo episódio de Doctor Who é a luta que a Doutora enfrenta para entender o Praxeus, um patógeno que infecta os indivíduos e faz com que eles desenvolvam mutações na pele até, eventualmente, serem reduzidos a poeira.

E a razão para isso estar acontecendo é revelada eventualmente: o Praxeus prospera através do plástico, por isso, proliferou tanto na Terra. Nos Oceanos, na barriga dos animais e na dos seres humanos também: o plástico está em todo lugar, já que os micro pedaços podem ser ingeridos através da comida e da água.

(Fonte: Ben Blackall/BBC Studios/Reprodução)
(Fonte: Ben Blackall/BBC Studios/Reprodução)

O veredito

Com um visual satisfatório e momentos que prendem a atenção do espectador, Praxeus é bem construído e mostra como um episódio pode ser agradável de assistir, mesmo sem reviravoltas mirabolantes a todo instante.

Texto escrito por Flávio Motta Coutinho via Nexperts.