A série Inacreditável (Unbelievable, no original), da Netflix, foi um sucesso de audiência desde o seu lançamento. Os números não apenas confirmaram a sua popularidade e o seu sucesso, principalmente para uma produção que aborda um tema tão difícil, como também abriram margem para a criação de uma franquia.

Produzida pela CBS TV Studios e Timberman/Beverly Productions, a série foi assistida por 32 milhões de famílias no mês de estreia, garantindo a posição como um dos maiores sucessos do ano da plataforma. A informação foi divulgada pela Netflix em seu relatório de ganhos do terceiro trimestre de 2019.

Inacreditável: série da Netflix pode virar antologia

O drama policial foi coescrito por Susannah Grant, Ayelet Waldman e Michael Chabon e acompanha as detetives Karen Duvall (Merritt Wever) e Grace Rasmussen (Toni Collette), que investigam casos semelhantes de estupro. Até que elas descobrem que o criminoso pode ter deixado vestígios, ao analisarem o caso de Marie Adler (Kaitlyn Dever), que foi acusada de falsa denúncia de estupro.

A ideia de mais temporadas passou pela cabeça dos produtores desde o começo, e o sucesso da série aumentou o interesse da Netflix pelo projeto. Ainda não há uma premissa para os anos seguintes, mas provavelmente seguiriam a ideia de resolver casos diferentes a cada temporada, centrados principalmente nas performances de Collete e Wever, que arrancaram aplausos.

O seriado foi baseado no artigo "An Unbelievable Story of Rape" (Uma Inacreditável História de Estupro, em tradução livre), vencedor do Prêmio Pulitzer em 2015, escrito por T. Christian Miller e Ken Armstrong. O material deu origem a um livro que foi lançado no Brasil com o título Falsa Acusação: Uma História Verdadeira pela editora LeYa.

Este texto foi escrito por Rafaela Ferreira da Silva via nexperts.