Atenção! Este texto contém spoiler do episódio 7x13 de Elementary, o capítulo final da série.

No episódio anterior de Elementary, Sherlock conseguiu usar Odin para simular sua própria morte. Enquanto todos pareciam lamentar o fim do grande detetive, ele reaparece na Itália, mostrando que tudo não passou de um engenhoso plano.

Três anos depois​

O episódio final tem início 3 anos depois do suposto assassinato de Sherlock. Watson é entrevistada em um programa de TV para comentar a sentença de Odin, condenado a 148 anos de prisão. Durante a conversa, ela fala sobre o livro que está lançando, contando os principais casos do detetive.

Quando o programa acaba, Marcus Bell liga para Watson e diz: "Ele voltou". Ela vai até a delegacia e descobrimos que Bell estava se referindo ao filho de Joan Watson, Arthur. Mais tarde, ela explica que a criança foi adotada. A outra novidade é que Marcus agora é Capitão.

Uma mensagem de Moriarty​

Quando volta para casa, Watson é informada de que um homem está aguardando por ela. É o advogado de Moriarty, Adair, que afirma que ela está morta por causa do trabalho e entrega um pacote como herança para Sherlock. Como o detetive simulou a própria morte, o material foi repassado para Watson, que vai até o cemitério em que está o túmulo de Sherlock e quebra a lápide com uma marreta. A ação é uma mensagem, e o detetive a recebe, pois no dia seguinte quando Watson acorda ele está em sua casa.

Depois de abrir o pacote de Moriarty e descobrir que era apenas uma pintura, Sherlock explica que, após terem forjado a sua morte (Watson ajudou trocando os cartuchos das balas), ele viajou ao redor do mundo, resolvendo alguns casos de maneira anônima. Ele também revela que Moriarty não morreu de verdade e que o quadro pode ter sido apenas uma tentativa de atrair a atenção do detetive para matá-lo, então Watson pode tê-lo colocado em perigo.

Mais tarde, quando o advogado de Moriarty é encontrado morto, a investigação aponta que ela não teve relação direta com o caso. Sherlock acredita que isso partiu de um grupo ligado a Moriarty, e Watson vai até um teatro para se encontrar com Ellory. Ela conta que o grupo sabe que Sherlock está vivo há 1 ano, mas que o advogado não foi mandado por ela, o que significa que existem mais pessoas envolvidas nessa conspiração.

Um motivo para ficar

Enquanto isso, Sherlock está investigando a mesa usada na partida de pôquer quando o agente do NSA, McNally, aparece para recrutá-lo. Ele foi promovido a diretor de relações internacionais da NSA, e foi assim que descobriu que Sherlock poderia estar vivo. Como não tinha certeza, mandou Adair contar a Watson que Moriarty estava morta e fazer o detetive retornar. McNally diz que fez tudo isso para poder recrutar Sherlock, para que ele trabalhasse como agente secreto da agência.

Sherlock conta para Watson o que McNally estava querendo com ele e diz que pensa em aceitar. Eles combinam de jantar, mas antes Sherlock diz que conversará com Gregson; ele explica que, enquanto esteve ausente, teve uma recaída e quase morreu de overdose. Ao descobrir que Watson tinha conseguido adotar uma criança, ele achou que colocaria a vida dos dois em risco caso voltasse para Nova York. Antes de se despedirem, Gregson conta para Sherlock que Watson está com câncer.

Quando o detetive retorna para perguntar por que Watson não contou para ele sobre a doença, ela diz que não queria que ele se sentisse obrigado a permanecer em Nova York. Eles se abraçam e Sherlock conta que vai ficar.

Um ano depois...

A cena corta para um ano depois, com Sherlock em frente a um caixão em um cemitério. McNally aparece para desejar seus pêsames e pergunta para o detetive se ele se arrepende de não ter aceitado a oferta para trabalhar na NSA. “Nem por um segundo”, Sherlock responde, e vai embora. Quando retorna, descobrimos que o funeral era de Moriarty, e não de Watson, já que ela sobreviveu ao câncer e retornará ao trabalho, com Sherlock, que decidiu ficar definitivamente na cidade.

Este texto foi escrito por Robinson Samulak Alves via nexperts.