No episódio "Household" de The Handmaid's Tale, June (Elisabeth Moss) tem um choque de realidade a respeito de como as coisas funcionam em Gilead. Certamente, a produção realizou um ótimo trabalho cinematográfico ao fazer com que os cenários integrassem a narrativa, como a conversa entre a aia e Serena (Yvonne Strahovski) em frente ao Memorial Lincoln, em Washington.

Não foi um capítulo satisfatório para quem esperava a redenção de Serena ou para quem contava com a ajuda de Nick (Max Minghella), mas acabou se esquecendo do passado do personagem. Entretanto, no fim do episódio tivemos algumas revelações importantes, e os produtores-executivos Bruce Miller e Warren Littlefield, junto da atriz Amanda Brugel, responderam a algumas perguntas do TVLine sobre esses assuntos.

Em Washington, June é escoltada e encontra a aia dos Winslow, que tem a boca coberta por um pano. Reagindo à tentativa de diálogo da visitante, a aia de Washington tira o acessório e revela que sua boca tem vários anéis, como uma costura. As coisas parecem ser bem mais rígidas naquela parte de Gilead, isso porque, segundo Littlefield, "queríamos que fosse diferente do mundo que apresentamos nas duas primeiras temporadas, e acho que funcionou muito bem". O produtor revelou também que os anéis de metal podem ser retirados.

The Handmaid

Outra fonte de diversas discussões foi a sexualidade do Comandante Winslow (Christopher Meloni). Depois do encontro com o comitê suíço, a Sra. Winslow conversa com Serena e a parabeniza por seu livro, enquanto Fred e o outro comandante jogam bilhar. Entre uma bebida e outra, Winslow acaricia Fred e diz que "um homem com seus talentos poderia ser um trunfo".

Littlefield comentou a cena e explicou que o personagem pode, sim, ser gay. Apesar da fraternidade que existe entre os comandantes, há outra camada a respeito do que está acontecendo dentro de Winslow para interpretar: "Particularmente em Chris [Meloni], que é tão masculino, o que torna tudo mais fascinante", completou.

Quanto a Rita, se ela ainda faria ou não parte da rede de Marthas, Brugel lembra que, quando June e ela se reúnem na capital, Rita deixa claro que simpatiza com a situação de Serena, sentimento que faz com que ela se afaste do seu trabalho revolucionário e se dedique a cuidar da esposa de Fred. "Rita sente muita culpa por ajudar o bebê a sair, pois ela também perdeu um filho", contou a atriz, por isso um vínculo completamente inesperado se formou em The Handmaid's Tale.

Para a surpresa de Fred e Serena, o comitê suíço desejou conversar também com June. Porém, apesar dos esforços da aia para que a bebê permanecesse no Canadá, um membro do grupo diz a ela que a pesquisa a respeito de Nick (que ela ofereceu para trocar informação com os suíços) mostrou que ele não é confiável. Quando a aia pergunta a Serena o que ele fez antes de ser motorista, June descobre que ele era um soldado na cruzada e "nós não estaríamos aqui sem ele", o que faz com que ela olhe para o pai de sua filha de uma forma diferente.

Miller comentou que Nick está trabalhando ao lado de June e, depois de tanto tempo juntos, "Ela seria tola se não reconhecesse isso". No entanto, o produtor acrescentou que Nick parece estar escondendo alguma coisa, mas não para arquitetar um plano nefasto; a resposta para ele ter escondido que foi um soldado é porque "Ele sente vergonha disso: é como se ele soubesse que, quando ela descobrisse a verdade a respeito dele, nunca mais o olharia da mesma forma".

Este texto foi escrito por Amarílis Virgínia Ferreira via nexperts.