Chernobyl, a nova minissérie da HBO, vem dando o que falar tanto pela qualidade de sua produção, já sendo considerada por muitos como uma das melhores séries de TV da história, quanto pelas polêmicas ao redor da história do acidente nuclear retratado.

A produção busca retratar fielmente muitos dos acontecimentos do acidente em Chernobyl, mas, mesmo com muitas verdades na história, também existem elementos de ficção. Alguns fatos foram adaptados para funcionar melhor na série ou até para servir como elemento dramático no roteiro. E algumas dessas alterações geraram muita polêmica, principalmente na Rússia, que alega que o seriado não é tão fiel aos acontecimentos reais da história.

E as polêmicas não param de surgir. A mais nova foi lançada pelo ator Alex Ferns, que interpreta Andrei Glukhov, o líder dos mineradores que foram responsáveis por cavar (e cimentar) um túnel debaixo do reator para impedir que o material radioativo penetrasse no solo e atingisse e contaminasse os lençóis freáticos da região.

O ator relevou em uma entrevista ao Daily Record que seu tio, Robert Stephenson, morreu devido à radiação de Chernobyl, mesmo morando na Escócia. Segundo Ferns, o tio estava trabalhando para o Scottish Water Board na chuva na área de Killearn, na Escócia, logo após o desastre. Ele "pediu para entrar, mas foi dito para ele ficar do lado de fora e continuar trabalhando. E ele continuou". Algum tempo depois, Stephenson teve câncer e faleceu.

Ainda segundo o relato de Ferns, todos os homens que trabalhavam com o tio morreram de câncer antes dos 50 anos de idade. Ferns disse que o tio pediu à família e aos amigos que culpasse Chernobyl por sua morte.

É fato que a radiação do acidente nuclear de Chernobyl, acabou contaminando muitas áreas pela Europa, principalmente nos arredores de Pripyat, a cidade mais próxima à usina. Luke Hixson, especialista em radiação, falou um pouco sobre o assunto.

Este texto foi escrito por Marcelo Omega via nexperts.