O polêmico documentário Leaving Neverland, que acusa do Rei do Pop, Michael Jackson, de abusar sexualmente de meninos, virou motivo de batalha judicial. Os representantes legais da propriedade do cantor estão processando o canal HBO, que produziu o filme, por difamação e pedem em US$ 100 milhões em reparações. Agora, a emissora pede que a Justiça não aceite o processo.

Advogados da HBO argumentam que o canal está em seu direito de liberdade de expressão e que o conteúdo do documentário é de interesse público. O limite da liberdade de expressão é um assunto que levanta muitas discussões nos Estados Unidos, pois há aqueles acreditam que ela deve prevalecer até mesmo em casos de ofensa à honra, difamação, racismo, sexismo e homofobia, por exemplo.

Leaving Neverland: família Jackson e HBO brigam na Justiça por documentárioDave Hogan/Getty Images

Antes mesmo de o documentário ser transmitido, os representantes de Jackson já tentavam impedir, sem sucesso, que a HBO o lançasse. Embora no momento o caso esteja sob jurisdição da corte federal, os advogados querem que ele volte para a Califórnia, por conta de uma cláusula de confidencialidade em um contrato de 1992 entre o artista e a HBO.

Já o canal argumenta que o contrato é inválido e não interfere em nada no caso; logo, o pedido deveria ser anulado. Segundo eles, os “esforços dos solicitantes de arbitrar ‘publicamente’ esses assuntos parecem fazer parte de uma estratégia transparente para impulsionar a sua campanha publicitária contra o documentário, mas essa estratégia é tão mal planejada quanto as próprias reivindicações”.

Brian Freedman, um dos advogados da firma que representa Jackson, diz que isso demonstra que a HBO está com medo de que o pedido seja adjudicado, “pois ela sabe que foi cúmplice dessa farsa unilateral para ganhar dinheiro que claramente viola o acordo”. E continuou: “Pelo menos estamos oferecendo a eles uma chance de contar o seu lado da história, o que eles não fizeram na criação da ficção unilateral destinada a caluniar Michael Jackson.”

Ambas as partes se reunirão com o juiz federal George H. Wu no dia 23 de maio.

Este texto foi escrito por Carolina Bernardi via nexperts.