Atenção: Esta publicação contém spoilers de uma cena de Vingadores: Ultimato.

É uma cena curta e despretensiosa, mas que introduziu, pela primeira vez, um personagem gay no Universo Cinemático da Marvel. Não é um super-herói, não está nem entre os personagens secundários, mas foi o suficiente para abrir discussões sobre o assunto.

O filme buscou mostrar ao público como os Vingadores que restaram, e o mundo ao seu redor, estavam lidando com o cotidiano 5 anos após o estalar de dedos de Thanos. Steve Rogers, o Capitão América, lidera um grupo de apoio aos sobreviventes, e lá conhecemos um homem que perdeu seu marido e tenta seguir em frente indo a um encontro com outro homem — o que não dá muito certo, pois ambos acabam chorando.

Diretores de Vingadores: Ultimato comentam inclusão de 1º personagem gay do MCUReprodução/AGBO Studios

Esse personagem, sem nome, é apenas uma entre milhões de pessoas que foram afetadas pelo plano de Thanos. Ele foi interpretado por um dos diretores do filme, Joe Russo, que explicou ao portal Deadline a decisão de incluí-lo no filme: “Era importante para nós, que fizemos quatro desses filmes, ter um personagem gay neles”.

“Sentimos que era importante que um de nós o interpretasse”, continua Joe. “É o momento perfeito, porque uma das coisas cativantes sobre o Universo Marvel, seguindo em frente, é o seu foco em diversidade.”

Diretores de Vingadores: Ultimato comentam inclusão de 1º personagem gay do MCUReprodução/Marvel Studios

Nos quadrinhos da Marvel, existem alguns personagens abertamente LGBTs; um deles inclusive aparece em Vingadores: Ultimato Valkyrie, interpretada por Tessa Thompson, é bissexual. Entretanto, como nesse ponto da história dificilmente seria possível apresentar algum dos personagens importantes como LGBT, a opção foi por representá-lo como um homem comum.

“O fato de o personagem ser gay vai chamar atenção, mas não é o ponto da cena. Quando você tem uma história que inclui matar metade dos humanos na Terra, você está contando uma história maior do que Os Vingadores”, explica Anthony Russo. “Então, essa cena foi importante para a gente ao contarmos uma história mais abrangente. Queríamos que houvesse uma voz que falasse sobre experiências além da dos Vingadores. Do contrário, tudo ficaria muito fechado, ilhado. O personagem que Joe interpretou tem um ponto de vista do homem comum que sofreu com as ações de Thanos.”

“Queríamos que fosse casual, com o fato de o personagem ser gay entrelaçado na história e representando o que é a vida no dia a dia”, afirma Joe. “São filmes globais que alcançam muita gente. Eles são importantes para muitas pessoas, e todos têm o direito de se ver na tela e identificar de alguma forma. Como cineastas de uma franquia gigante, estamos dizendo que nós os apoiamos.”

O que você achou dessa cena? Acha que a Marvel introduzirá algum herói LGBT no futuro?

Este texto foi escrito por Carolina Bernardi via nexperts.

Mais sobre Vingadores: Ultimato: