Alerta! Este texto contém SPOILERS do episódio 9x15 da série The Walking Dead, exibido no domingo, dia 24 de março, pela AMC e pela FOX. Não prossiga se não quiser saber detalhes da trama.

O episódio “The Calm Before” – apropriadamente intitulado “A Calmaria Antes” de uma tempestade anunciada – trouxe uma tragédia esperada pela maioria dos fãs de The Walking Dead: a cena das cabeças nas lanças.

Mesmo aqueles que não leram os quadrinhos de Robert Kirkman sabem que é quase uma tradição da série matar personagens importantes nos últimos episódios da temporada e, como ninguém realmente relevante tinha morrido até então, a calmaria foi compensada com nada menos que 10 vítimas de um massacre brutal.

Alpha e seus seguidores conseguiram se infiltrar na “Feira de Novos Começos” do Reino e sequestrar alguns habitantes do local e de Hilltop, com o objetivo de mandar uma mensagem ameaçadora para Daryl e companhia.

A série foi feliz ao não escolher as mesmas vítimas dos Sussurradores nos quadrinhos de The Walking Dead (obs: com exceção de Tammy), garantindo assim que o momento fosse de surpresa e tensão para todos os fãs. Ainda que, verdade seja dita, somente três desses personagens realmente são nomes do elenco principal e tiveram mortes impactantes.

Ao contrário das HQs, Ezekiel (Khary Payton) e Rosita (Christian Serratos) foram poupados e os mortos foram Tara (Alanna Masterson), Enid (Katelyn Nacon) e – talvez o mais surpreendente – Henry (Matt Lintz), além de Frankie (Elyse DuFour), Ozzy (Angus Sampson), Tammy Rose (Brett Butler), D.J. (Matt Mangum), Addy (Kelley Mack), Rodney (Joe Ando-Hirsh) e Alek (Jason Kirkpatrick).

Ainda que não tenhamos visto suas mortes em cena, o peso dramático de Daryl, Carol, Michonne e Yumiko encontrando as lanças que Alpha (Samantha Morton) usou para demarcar a “fronteira” de seu território com as cabeças dos amigos funcionou muito bem.

O discurso de Siddiq (Avi Nash), único sobrevivente e testemunha do massacre, também conseguiu passar o tom de que eles não morreram em vão, pois suas mortes só cimentaram a união das comunidades contra o novo inimigo em comum.

Quanto a escolha das vítimas, a showrunner Angela Kang disse ao Deadline que Alpha é como uma terrorista que escolhe subjetivamente suas vítimas e, por isso, é tão perigosa. “O objetivo da Alpha era aterrorizar as comunidades e forçá-las a cumprir suas regras. Então há uma mistura de assassinatos estratégicos, como o de Tara [líder de Hilltop]; aleatórios, como o de Enid; e motivados por vingança, como o de Henry”, explicou a produtora.

Para a season finale da 9ª temporada de The Walking Dead do próximo domingo, podemos esperar uma breve passagem de tempo (com o inverno chegando e a primeira vez em que veremos neve na série pós-apocalíptica), assim como o efeito que as consequências das perdas terão no comando de Hilltop e na postura de Carol e Ezekiel.

Mais novidades sobre The Walking Dead