Killing Eve está sob novo comando, ou quase isso. A segunda temporada da série, que estreia no próximo dia 7 de abril nos Estados Unidos, foi rodada sob os cuidados de uma nova produtora executiva: Emerald Fennel, amiga de longa data de Phoebe Waller-Bridge, criadora da produção. Essa e outras novidades foram pauta de parte da equipe de Killing Eve em um evento recente onde a nova temporada foi divulgada.

As revelações são animadoras. Na ocasião, Sandra Oh, que interpreta a agente secreta Eve Polastri, contou que as duas protagonistas terão, cada uma à sua maneira, uma segunda temporada de vulnerabilidades. “[Eve e Villanelle] quebraram uma barreira sem volta. [O começo da segunda temporada] é cheio de adrenalina, e vocês vão ver como isso vai levar as duas a situações de vulnerabilidades distintas. Acho que o que estamos tentando desvendar dia após dia é a ideia de como é possível construir as bases de uma relação que parece absolutamente insustentável”, disse.

Elenco de Killing Eve fala sobre novos rumos (e colegas) da 2ª temporadaFoto: Reprodução/IMDb

Aliás, quem imagina uma Villanelle (Jodie Comer) renovada não perde por esperar. Por conta da facada do fim da primeira temporada, a vilã deve reaparecer bastante debilitada nos dois primeiros episódios da nova fase da trama, especialmente porque vai precisar sumir do mapa sem deixar rastros. À medida que a história se desenvolve, porém, ela vai retomando o seu espírito impiedoso – dinâmica que certamente permitiu a Jodie Comer explorar um novo lado de Villanelle, que será confrontada com situações bastante desafiadoras para alguém tão cheio de si como ela.

Nova produtora no comando

Para Sandra Oh, a estreia de Emerald Fennel no comando de Killing Eve trará mudanças muito sutis para a série. Segundo a atriz, Fennel e Phoebe Waller-Bridge têm muito em comum. “Elas são muito próximas, compartilham da mesma sensibilidade e demonstram uma afinidade enorme tanto em suas histórias de vida quanto no fato de terem humor e estilo muito parecidos. Foi uma ótima combinação”, disse.

Elenco de Killing Eve fala sobre novos rumos (e colegas) da 2ª temporadaEmerald Fennel, nova produtora executiva de Killing Eve. Foto: Reprodução/IMDb

Fennel não é exatamente uma estreante nos sets de filmagem de Killing Eve. A produtora entrou para o time da série quando os episódios da primeira temporada já tinham sido escritos, mas antes que fossem exibidos. “Ela tem personalidade própria, então [Killing Eve] passou de uma mão para outra muito parecida”, garantiu Sandra Oh durante sua fala no evento da Television Critics Association. Para a equipe, Fennel deu conta do desafio de trabalhar a complexidade dos personagens e dosar o tom da série, que mistura toques de humor e momentos de enorme tensão.

“Acho que a maneira como o humor é usado, como ele atravessa questões realmente muito sérias e importantes, é o que há de genial [em Killing Eve]”, disse a atriz Jodie Comer, para quem a complexidade e a versatilidade dos personagens são a graça da série. “Ela é escrita por uma mulher que entende as questões que estão ali, que faz isso aparecer muito na superfície do texto. É divertido, um verdadeiro presente”, disse.

Os looks de Villanelle e uma expansão à vista

Elenco de Killing Eve fala sobre novos rumos (e colegas) da 2ª temporadaFoto: Reprodução/IMDb

Fennel aproveitou a fala da colega para retomar o debate sobre o futuro de Villanelle. Ao comentar a escolha cuidadosa dos looks da vilã, a produtora disse que “ela tem uma espécie de fetiche com as próprias roupas”, algo que a leva a usar a vestimenta como parte de cada assassinato. Fennel adiantou que, nos dois primeiros episódios, Villanelle surgirá com looks simples, que correspondem ao seu estado. Em seguida, porém, com o desenvolvimento da segunda temporada, a tendência é de que ela vá retomando o fôlego e, consequentemente, a criatividade, que também se refletirá nas roupas.

A nova produtora adiantou que, em sua segunda fase, o universo de Eve e Villanelle deve ganhar novos personagens – inclusive outro assassino. Ainda assim, a relação entre as duas protagonistas continuará sendo a base da série. “O que acho realmente interessante é pensar no que temos pela frente quando um estranho aparece para mexer com as bases da história. Será que Eve é uma especialista em assassinos ou apenas em Villanelle? O que isso pode significar para ela e para Carolyn (Fiona Shaw)?”, confidenciou, revelando parte do que vem por aí.

Sally Woodward-Gentle, que também integra o time de produção, aproveitou a deixa para lançar outra pergunta ao mesmo tempo misteriosa e reveladora: “O que aconteceria se Villanelle descobrisse que o olhar de Eve não esteve sempre sobre ela?”. Então, Jodie Comer comentou que, apesar de estarem na segunda temporada, ela e Sandra Oh ainda buscam “encaixar as peças” do quebra-cabeças de Killing Eve, e que acha ótimo como “cada ator pode trazer uma energia diferente, algo novo para o set. Somos muito sortudos de ter tanta gente vindo por aí”, concluiu.

Timing perfeito

Elenco de Killing Eve fala sobre novos rumos (e colegas) da 2ª temporadaFoto: Reprodução/IMDb

Questionada, a equipe de Killing Eve aproveitou para comentar o fato de a série ter estreado quase ao mesmo tempo que movimentos como Me Too e Time's Up ganhavam força. Para Sandra Oh, o timing foi essencial e deu muita evidência à história, por ela ser algo que “convida não só a acreditar nas mulheres, mas a olhar por elas, também. É algo com que me identifico muito”, disse.

Apesar disso, a atriz revelou que questões políticas não costumam funcionar como sua maior motivação na hora de interpretar um papel. “Fico feliz quando [uma personagem] contribui para alguma causa, mas [quando atuo] estou interessada exclusivamente naquilo que de fato me interessa”, disse, concluindo, depois, com a ideia de que sua preocupação, hoje, é “ter a chance de definir o tom [de Eve]”.

A produtora Emerald Fennel usou o gancho de Sandra Oh para encerrar a participação da equipe com um comentário sobre o papel de Killing Eve na indústria do entretenimento. “Geralmente, nós, mulheres, somos o cimento, enquanto os homens são os tijolos. Estamos acostumadas a simplesmente preencher os espaços deixados por eles. Em Killing Eve não é assim: nós é que somos os tijolos”, disse.

Este texto foi escrito por Rodrigo Sánchez Paredes via nexperts.