ATENÇÃO: CONTÉM SPOILERS!

Russian Doll conta a história de Nadia (Natasha Lyonne), uma engenheira de software que comemora o próprio aniversário na casa de uma amiga. Em algum momento da noite, ela leva um cara para casa, o deixa lá para procurar seu gato desaparecido e é atropelada por um táxi.

No entanto, Nadia não morre definitivamente. Em vez disso, ela acorda no banheiro da casa de sua amiga durante a festa e passa a reviver o dia de sua morte continuamente. Na metade da primeira temporada da série, ela conhece Alan (Charlie Barnett), e nós descobrimos que Nadia não é a única a passar por isso.

Em determinado momento da história, Nadia e Alan percebem que devem vencer os seus traumas para sair daquela situação. Para ela, isso significa superar os problemas psicológicos provocados por sua mãe. No caso dele, o desafio é lidar com o fato de a sua morte ter sido causada por um suicídio.

Porém, quando eles são prestes a resolver essa estranha equação, são colocados em uma situação ainda mais bizarra: ambos se veem separados em duas linhas do tempo; então, quando se reencontrarem, se depararão com versões “anteriores” um do outro.

Basicamente, isso significa que Nadia conhece Alan enquanto ele planeja se matar, e Alan encontra Nadia acompanhada do homem com quem ela estava antes de ser atropelada por um táxi. Então, suas versões mais “evoluídas” precisam convencer as “antigas” a se salvarem.

Criadoras discutem o final da primeira temporada

Russian Doll: criadoras comentam o final da 1ª temporada

Russian Doll foi criada por Natasha Lyonne, Leslye Headland e Amy Poheler. Em entrevista ao site Thrillist, Lyonne explica que Nadia e Alan são autodestrutivos de maneiras distintas, mas encontram um no outro uma razão para continuar vivendo.

Embora os dois personagens se envolvam romanticamente em determinado momento, Headland comenta que as criadoras não estavam exatamente interessadas em dar um final romântico para eles, mas sim em explorar os mistérios da vida e do Universo.

“Quando criamos a série, tínhamos em mente aquela frase de Albert Camus que diz que ‘a vida é soma de todas as suas escolhas’”, contou ela. “Acho que uma maneira engraçada de descrever Russian Doll é que a vida é a soma de todas as linhas do tempo.”

Entretanto, as últimas cenas da primeira temporada da série deixam dúvidas um pouco mais literais. Um exemplo disso é que Nadia passa por duas pessoas com cabelos extremamente parecidos com os dela, o que dá a entender que existem outras versões da personagem.

Lyonne e Headland não têm uma resposta pronta para essa pergunta dos fãs. No momento, elas se limitam a dizer que a primeira temporada conta uma história completa e mais duas estão planejadas, porém nada impede que continuem a explorar o universo da série.

Este texto foi escrito por Kamylla Silva via nexperts.