Jorge Antonio Guerrero, o ator que interpretou o personagem Fermín no longa Roma, da Netflix, está impedido de participar da cerimônia do Oscar 2019 no próximo mês.

Guerrero, que é mexicano, já deu entrada em três pedidos para obter o visto norte-americano, mas teve o documento negado pelas autoridades dos Estados Unidos nas três ocasiões – a primeira como turista e as duas seguintes a trabalho, com apoio da Netflix e da equipe de Roma, que justificaram o motivo da viagem.

Diante da situação, a Netflix está se articulando para tentar reverter as negativas e garantir que Guerrero esteja na cerimônia no próximo dia 24 de fevereiro em Los Angeles, na Califórnia.

O ator não concorre a nenhuma estatueta individual, mas é esperado que compareça ao evento por compor o elenco do longa, que recebeu nada menos do que 10 indicações da Academia na última terça-feira (22), entre elas as de Melhor Filme e Melhor Atriz, pela atuação de Yalitza Aparicio como protagonista.

Recusa já prejudicou o ator antes

Foto: Reprodução/IMDb

Em entrevista à revista Quien, do México, Guerrero contou que a insistência na negativa já o impediu de participar da cerimônia dos Globos de Ouro e de outros eventos relacionados ao lançamento de Roma, e que nem mesmo as cartas-convite preparadas pelos produtores ajudaram no processo de obtenção do visto. “Na primeira ocasião, levei uma carta que as autoridades não se deram nem ao trabalho de ler. Na segunda vez, questionaram se eu viajaria a trabalho e, quando disse que não, que iria como convidado, também me ignoraram. Essa, inclusive, foi uma situação da qual me lembro bem, porque a atendente pareceu bastante irritada durante a entrevista”, contou.

Questionada pela Variety, a Secretaria de Estado dos Estados Unidos alegou que não tinha como responder às solicitações de entrevista, por conta do impasse nas negociações pela aprovação do orçamento federal, que provocou uma paralisação no funcionamento de uma série de órgãos burocráticos do país. Guerrero, por sua vez, disse não estar chateado com a recusa do documento. “Em nenhum momento me senti ofendido ou irritado. Ninguém fez nada contra mim, isso é fato, e devo lembrar que o mesmo acontece com milhares de outras pessoas como eu, e em situações bem diferentes da minha, como buscar emprego e tentar sobreviver”, desabafou.

Ator é conhecido do público latino nos EUA

Guerrero interpreta o Cadete Tello na série Luis Miguel. Foto: Reprodução/El Comercio

Além do bem-sucedido Roma, da Netflix, Guerrero é conhecido por sua atuação nas séries Narcos: México, e Luis Miguel, da rede Telemundo, emissora baseada nos Estados Unidos e voltada para o público latino. O ator também já tem papel garantido na próxima temporada da produção chilena Sitiados: La Otra Cara de la Conquista, uma série de época que conta a história da conquista espanhola na América do Sul sob a perspectiva dos nativos indígenas da região.

Guerrero, que, além de conhecido nos EUA, claramente não tem a intenção de migrar para o país, lamentou a situação e se mostrou pouco esperançoso: “Se não querem nem se dar ao trabalho de ler a carta-convite, não tenho como alimentar a esperança de que [a solicitação de visto] seja aprovada”. Alfonso Cuarón, diretor de Roma, tem tentado mobilizar a opinião pública por meio das redes sociais a favor da causa de Guerrero, mas a postura do governo norte-americano segue sendo uma incógnita.

A tentativa da Netflix de intervir no caso é bem-vinda, mas não garante que o ator consiga a documentação para participar da cerimônia. Com ou sem ele, a premiação do Oscar acontecerá no dia 24 de fevereiro no Dolby Theatre em Los Angeles, na Califórnia. Resta aos fãs de Roma torcerem para que, diante de tantas evidências favoráveis ao ator, Guerrero consiga a aprovação do visto e possa, enfim, participar da cerimônia e das premiações que também dizem respeito ao seu trabalho no filme.

Relacionado: Oscar 2019: indicados refletem diversidade e títulos estrangeiros (análise)

Este texto foi escrito por Rodrigo Sánchez via nexperts.