Homem-Aranha no Aranhaverso é um mar de easter eggs para os fãs do personagem. É possível encontrar referências diretas às cenas clássicas da trilogia protagonizada por Tobey Maguire e muitas outras retiradas dos quadrinhos, como os milhares de uniformes que o herói usou com o passar do tempo. A cena pós-créditos não poderia seguir outro caminho, juntando linguagem de internet e conexão com uma versão outrora popular do aracnídeo.

O longa termina com Miles Morales (Shameik Moore) olhando uma luz misteriosa que adentra o cômodo enquanto a voz de Gwen Stacy (Hailee Steinfeld) parece vir daquela direção. Essa estética já tinha sido usada antes para exemplificar um portal entre dimensões sendo aberto, estabelecendo que ainda existe uma passagem entre as realidades que mantém a conexão dos personagens. Isso permite o gancho que pode trazer a sequência de Aranhaverso e também introduz o protagonista da cena pós-créditos.

A cena abre com Lyla, uma mulher holográfica que está explicando para uma pessoa quem são aqueles heróis que apareceram durante o filme. O ser misterioso é outro Cabeça-de-Teia, mas não uma versão recente ou desconhecida; trata-se de Miguel O’Hara (voz de Oscar Isaac), Homem-Aranha do universo 2099 que teve bastante destaque nos anos 90 e ganhou até animação própria.

A ideia do personagem é visitar as realidades com as outras versões de Cabeça-de-Teia; a decisão de seguir cronologicamente o faz aparecer na animação dos anos 60 do Homem-Aranha, recriando o popular meme (imagem acima). A cena é hilária por conseguir replicar tão bem algo que se tornou linguagem de internet, enquanto ela também estabelece outra variante importante do vigilante.

Em outro ponto importante do filme, há referência a algo vinculado ao Homem-Aranha 2099: a Corporação Alchemax. Na origem do personagem, Miguel O’Hara era um geneticista que estava decidido a abandonar a empresa, mas foi enganado e contaminado por uma droga extremamente viciante. A partir disso, ele então decide buscar a cura por meio de um tratamento que reescreveria seu código genético, mas um colega de trabalho invejoso sabota a tentativa dele e acaba causando a inserção de DNA aracnídeo no corpo dele. Como resultado do acidente, ele emerge com poderes de aranha, que usa para iniciar uma guerra contra a Alchemax e outros criminosos.

A aparição de Miguel O’Hara pode animar os fãs para uma sequência com um número ainda maior de versões do Homem-Aranha. Recentemente, nos quadrinhos, eles se juntaram para vencer o vilão Morlun, que se alimenta diretamente do poder vital de seres vinculados aos poderes aracnídeos. Se a Sony Pictures decidir seguir o mesmo caminho das HQs, a próxima aventura de Miles Morales nas telonas vai ter ainda mais Amigões da Vizinhança, como Punk-Aranha, Mulher-Aranha e até mesmo o Homem-Aranha da série japonesa de tokusatsu.

Relacionado: Homem-Aranha no Aranhaverso revoluciona gênero de animação e de super-heróis (crítica)

Este texto foi escrito por Gustavo Rodrigues via nexperts.