ATENÇÃO: CONTÉM SPOILERS!

Os infortúnios dos jovens irmãos Baudelaire chegaram ao fim. Desventuras em Série, um seriado do serviço de streaming Netflix baseado nos livros de Daniel Handler, sob o pseudônimo Lemony Snicket, estreou sua temporada final no primeiro dia de 2019. Os fãs puderam se despedir de Violet (Malina Weissman), Klaus (Louis Hynes) e Sunny (Presley Smith), do Sr. Poe (K. Todd Freeman), Lemony (Patrick Warburton) e do terrível Conde Olaf (Neil Patrick Harris).

Como qualquer produção audiovisual baseada em um livro, a história foi adaptada e diverge um pouco do material original, trazendo surpresas até mesmo para o mais ávido dos leitores da série. Mas não se preocupe: Handler, o autor dos livros, trabalhou no roteiro junto com a equipe, e todas as modificações foram feitas com a sua aprovação.

Em entrevista ao portal Entertainment Weekly, o showrunner e produtor executivo da série, Barry Sonnenfeld, fala sobre as alterações na história e como elas tiveram um papel importante em amarrar pontas soltas da trama original. Ele também comenta o novo final, que não é necessariamente feliz — já que isso iria contra todo o clima da série —, mas satisfatório tanto para fãs antigos quanto para os novos.

Se você já leu e releu toda a série, deve ter percebido cada detalhe; no entanto, caso não se lembre ou ainda não tenha conferido os livros, veja abaixo alguns exemplos do que mudou:

O Açucareiro

Embora nos livros o Açucareiro seja citado, lá ele não tem tanto foco quanto na série. Esse tipo de trama é chamada de MacGuffin, no inglês, ou seja um objeto que faz a história se desenvolver, mas o leitor — ou a audiência — nunca sabe a sua real importância ou para o que serve. Nos livros, Snicket nunca revelou o que tinha dentro do Açucareiro.

“O Açucareiro me enlouquecia!”, contou Sonnenfeld na justificativa de ter alterado a história do objeto. “Acredito que ele seja uma metáfora para quando as pessoas brigam desnecessariamente; o que você descobre é que o que está no Açucareiro definitivamente pode ser manufaturado, criado ou duplicado, independentemente do Açucareiro...É tudo um exagero sobre algo que poderia ter sido resolvido de outra forma.”

Afinal, o que tem no Açucareiro? Açúcar! Não qualquer açúcar, é claro, mas um desenvolvido pelos cientistas da VFD como uma cura — e espécie de vacina — para o mortal fungo Medusoid Mycelium, criado por um dos membros da VFD e encontrado pelos Baudelaire em suas desventuras.

O que aconteceu na ópera

Logo na primeira temporada, podemos acompanhar como a VFD funciona, mesmo que os poucos — o que não acontece nos livros, cujo ponto de vista é o dos irmãos Baudelaire. Isso faz com que a própria VFD, a sua cisão e vários outros acontecimentos permaneçam um mistério para o leitor. Já na série, temos uma pequena visão do que causou todo o tumulto e como o Conde Olaf se tornou um vilão.

Em “O Penúltimo Perigo”, Beatrice, a mãe dos Baudelaire, se apresenta na ópera enquanto Lemony Snicket, Esmé Squarlor (Lucy Punch) e o curioso casal formado por Kit Snicket (Allison Williams) e Conde Olaf assistem de um camarote. Quando Beatrice vai ao encontro deles, Lemony sugere que eles roubem o Açucareiro, o que faz desenrolar toda a cena que culmina na morte do pai de Conde Olaf, na cisão da VFD e no rompimento do noivado de Lemony e Beatrice.

O que é diferente? Sonnenfeld explica: “Eu sabia que queria fazer a cena da ópera nas telas e que o Chefe do Departamento de Bombeiros fosse o pai de Olaf. Isso não estava nos livros, foi algo que eu pedi para Joe Tracz (editor de história) fazer, porque eu queria que houvesse sentimentos reais para Olaf odiar tanto os Baudelaire”.

Parece confuso, mas de alguma forma faz todo o sentido, não?

Lemony Snicket e os Baudelaire

Nos livros de Handler, Lemony Snicket é um narrador que, embora tenha alguma conexão com a história, não interage com os outros personagens. Isso muda na série quando Lemony não apenas conversa com sua irmã, Kit, mas também oferece uma carona de táxi aos Baudelaire. Originalmente, os Baudelaire não sabem quem está dirigindo o táxi, porém os fãs da série teorizavam que poderia ser Snicket.

“Joe, Daniel e eu pensamos 'Será que conseguiríamos fazer essas duas histórias se interseccionarem e Lemony existir no tempo dos Baudelaire?' Porque se pudermos, como seria fantástico Lemony interagindo com os outros e conhecendo os Baudelaire... Daí você pensa ‘O quê? O que vai acontecer? Eles estão brincando com a audiência?’ É inesperado”, revela Sonnenfeld.

E não é apenas nessa parte que podemos ver Lemony interagindo. Enquanto os livros têm um final ambíguo, com os Baudelaire saindo da ilha e retornando para suas infelizes vidas, a série dá uma pequena luz ao que aconteceu depois. Beatrice Baudelaire II, a filha de Kit Snicket criada pelos irmãos Baudelaire, aparece para conversar com Lemony e contar a ele sobre a sua família, garantindo um final um pouco menos sóbrio para Desventuras em Série.

Gostou das mudanças ou acha que a série deveria ter sido completamente fiel?

Este texto foi escrito por Carolina Bernardi via nexperts.