Quem acompanha a série policial da franquia Chicago provavelmente estranhou quando a detetive Erin Lindsay não retornou para a 5ª temporada de Chicago P.D.

Depois de ser sondada pelo FBI, ela foi chamada por um agente federal para se juntar a uma investigação nacional e abandonar a equipe da inteligência liderada por Hank Voight (Jason Beghe). Até aí, tudo bem. O que muitos fãs não esperavam é que a saída dela fosse de caráter permanente.

Agora, a atriz Sophia Bush, que interpretava Erin, falou pela primeira vez sobre o assunto durante um podcast americano, o "Armchair Expert", de Dax Shepard, e parece que a situação dos atores de Chicago P.D. não é nada fácil nos bastidores.

Depois de participar de um workshop sobre Saúde Mental, ela percebeu que algo estava errado na forma como ela vinha se sentindo com relação à série. "Eu me programei para tolerar o intolerável. Eu não sei necessariamente o que é, mas eu sei que o que está acontecendo não é bom pra mim e tudo tem que mudar. Isso foi um grande ponto de corte quando eu pedi demissão", revelou a atriz.

A atriz, que já lidou com casos de assédio sexual nos sets de One Three Hill, diz que por trás das cenas de Chicago P.D. também haviam situações de extremo desconforto, no que ela definiu como uma “barragem consistente de comportamento abusivo”, com a qual estava impossível de lidar.

"Quando alguém te agride em uma sala cheia de pessoas, e cada um literalmente olha para o outro lado... e você é a única mulher na sala, e todos os homens que tem o dobro do seu tamanho não fazem nada, você pensa: 'Ei, será que isso não merecia uma defesa. Eu não mereço ser defendida?'"

As situações que se passavam nos bastidores eram tão exaustivas e pesadas para a atriz que até mesmo seu corpo vinha demonstrando sinais de estresse. “Eu parei porque, o que eu aprendi é que eu fui tão programada para ser uma boa menina, ser um cavalo de trabalho e ser um rebocador que sempre priorizei aguentar pela equipe, pelo programa, pelo grupo, à frente da minha própria saúde... Meu corpo estava desmoronando porque eu estava realmente muito infeliz”.

A atriz chegou a buscar a produção da série no final da 3ª temporada para reclamar do comportamento dos colegas – que ela não nomeia diretamente – e também das condições de filmagem, que muitas vezes obrigavam o elenco e staff a gravar em dias congelantes no frio de Chicago sem nenhum tipo de aquecimento para as equipes.

Bush disse que avisou que sairia da série caso as condições não mudassem, mas essa reclamação não teve resultado algum, e ela sofreu inclusive chantagem emocional para não deixar a produção. “Eu não vou ferrar esse trabalho para todas essas pessoas. E o cara da câmera, cujas duas filhas eu amo, e é assim que ele paga o aluguel? Isso se torna uma coisa tão grande. Quando seus chefes lhe dizem que, se você criar um tumulto, vai custar a todos o trabalho deles, você acredita neles”, disse.

Assim, forçada a assinar um contrato para uma sétima temporada, ela ameaçou escrever um editorial para o The New York Times contando detalhes sobre a edição e prometeu processar a empresa caso a obrigassem a cumprir o contrato, de forma que conseguiu ser liberada para deixar o trabalho.

Este texto foi escrito por Lu Belin via nexperts.