O diretor Steve McQueen, que chamou a atenção da indústria com o oscarizado 12 Anos de Escravidão, deixa o drama de época e se aventura em um novo gênero com As Viúvas, filme contemporâneo de assalto com conteúdo, estilo e crítica social.

Roteirizado por McQueen ao lado da escritora Gillian Flynn (autora de Garota Exemplar e Sharp Objects), As Viúvas conta a história de um grupo de mulheres que se vê obrigado a realizar um assalto para pagar as dívidas e sobreviver após seus maridos morrerem em trabalho.

Viola Davis (de How to Get Away with Murder) é a grande protagonista da trama no papel da viúva do ex-líder da gangue (interpretado por Liam Neeson), que encontra os planos do marido para o próximo roubo e decide reunir as outras viúvas para seguir com a operação.

O filme traz um vasto e talentoso elenco, com Michelle Rodriguez e Elizabeth Debicki formando o trio principal de assaltantes com Viola Davis; Colin Farrell e Brian Tyree Henry como rivais da eleição local; além de participações especiais de Daniel Kaluuya, Jon Bernthal, Cynthia Erivo, Carrie Coon, Jacki Weaver e Robert Duvall.

Viola Davis, Michelle Rodriguez, Elizabeth Debicki e Cynthia Erivo em As Viúvas.

Além desse excelente time atrás e à frente das câmeras, a narrativa do longa-metragem é excepcional. O roteiro não se limita à preparação e execução do plano de assalto pelas Viúvas do título, mas apresenta todo o contexto social, político, econômico e pessoal que justificam as ações das personagens – salientando, em especial, a questão da diversidade e do papel da mulher na sociedade.

McQueen injeta ainda originalidade em sua direção, com escolhas de planos e de posicionamento de câmera que valorizam a trama e estabelecem uma dinâmica com os espectadores (seja nos colocando dentro da van durante o primeiro assalto ou nos deixando “de fora” de uma discussão política em um carro).

O roteiro, bem ao estilo de Gillian Flynn, guarda também algumas surpresas e reviravoltas, mas que estão muito além dos clichês de filmes de assalto (como aquelas partes do plano que só são reveladas posteriormente aos espectadores) e que dizem mais sobre as relações interpessoais, os conflitos raciais e a corrupção política por trás de tudo.

Com inteligência e talento, Steve McQueen realiza um dos melhores filmes do ano, divertindo (e muito) os espectadores com uma trama de assalto, mas sem esquecer do conteúdo e da crítica social.