Jim Gianopulos, chefe da Paramount Pictures, anunciou na sexta-feira, 16 de novembro, a parceria com a plataforma de streaming, Netflix. O acordo foi divulgado durante um evento da Viacom para analistas de Wall Street. De acordo com o executivo, a prioridade é expandir o papel como maior provedora global de conteúdo. “Para isso, nós estamos explorando várias novas fontes de receita, além de nossos tradicionais lançamentos cinematográficos como produtores de filmes e programas de TV para outras plataformas de mídia”, afirmou Gianopulos, que assumiu o posto em março de 2017.

As duas empresas já realizaram projetos juntas. Paramount vendeu o filme O Paradoxo Cloverfield para a Netflix, que lançou o título durante o intervalo do Super Bowl, em fevereiro de 2018, e também apoiou a criação do seriado Maniac, lançado em setembro de 2018, e de 13 Reasons Why, todos sucessos na plataforma. O CEO da Viacom, Bob Bakish, indicou na época que a parceria poderia se fortalecer, especialmente por representar um grande corte de custos e pelo alto valor pago pela Netflix, na faixa de 50 milhões de dólares.

Apesar de não existir uma quantidade específica de títulos, Gianopulos afirmou que haverá “um pequeno número de projetos”, que alavancarão a parceria entre as produtoras. Netflix é famosa por adquirir títulos de produtoras de conteúdo, e com o acordo a Paramount firma os laços para prover conteúdo original e tentar sair do vermelho. Em 2016, a produtora registrou perda de aproximadamente 450 milhões de dólares e tem somado uma série de declínios financeiros.

A Paramount produziu 984 milhões de dólares em receita para o trimestre encerrado em 30 de setembro. Isso representa um aumento de 25% sobre o mesmo período do ano anterior – e registrou lucro operacional ajustado de 38 milhões de dólares, comparado a um prejuízo no ano anterior. A melhoria se deve, em grande parte, ao lançamento de Missão: Impossível Fallout, com Tom Cruise, que gerou cerca de 800 milhões de dólares em ingressos em todo o mundo.

Enquanto isso, a Netflix observa seu lucro líquido crescer a olhos vistos. No primeiro trimestre de 2018, a plataforma registrou crescimento de 63%, com 290 milhões de dólares, e avanço de 40% de receita no período – cerca de 3,7 bilhões de dólares.

O estúdio centenário tem planos de lançar nove filmes em 2018 e evoluir para 19 em 2020. “Esse é o nosso principal produto”, garantiu Gianopulos. Para ele, a parceria é muito semelhante ao que era praticado há 20 anos, quando produtoras criavam títulos para os principais canais de TV, como CBS e NBC. “Estamos muito felizes de trabalhar com Netflix, Amazon e outras parcerias e novos clientes”, afirmou.

Este texto foi escrito por Luiza Lafuente via nexperts.