Bohemian Rhapsody gerou várias polêmicas desde seu lançamento. Primeiro, surgiu a desaprovação inicial em relação à escolha de Rami Malek para interpretar Freddie Mercury, vocalista do Queen e protagonista da história — que, depois, rendeu arrependimento a muitos dos críticos. Na sequência, foram apontadas incoerências com a história real.

Aqui no Brasil, tivemos nosso burburinho particular quando circulou nas redes sociais a história de que espectadores brasileiros estariam vaiando os beijos gays durante o filme — algo que acabou sendo desmentido.

Agora é a vez de a própria Fox despertar a estranheza envolvendo o longa-metragem. Em plena campanha para seus filmes serem indicados ao Oscar, a produtora colocou no ar em seu site norte-americano o hotsite For Your Consideration, onde traz informações sobre todas as películas que recomenda como possíveis indicadas.

E, embora o filme tenha tudo para entrar na listagem final da premiação, o que está chamando a atenção é o fato de a produtora estar reforçando o nome de Bryan Singer como diretor indicado. Realmente, é ele quem assina a direção, tanto em todo o plano de divulgação quanto nos materiais oficiais da película.

No entanto, conforme chama a atenção o site norte-americano Business Insider, o diretor foi demitido na fase final da produção de Bohemian Rhapsody e substituído por Dexter Fletcher, cujo nome não aparece nos créditos voltados para as indicações à Academia.

Segundo a Fox, Singer foi desligado do projeto por frequentemente estar fora do set quando as gravações aconteciam. Além disso, a produtora tinha tudo para querer distanciar o título de Singer, uma vez que o diretor passa por um processo judicial em que responde por agressão sexual a uma jovem de 17 anos, que ele teria violentado em uma festa em 2003.

No entanto, Fletcher disse que não queria o crédito pelo longa-metragem, o que provavelmente levou a produtora a abraçar o nome de Singer para as indicações.

Este texto foi escrito por Lu Belin via nexperts.