O CEO da Disney, Bob Iger, revelou novidades sobre o serviço de streaming próprio da companhia, o Disney+

Em uma conferência para analistas de Wall Street, o executivo apresentou a logomarca oficial e o nome da plataforma, prevista para chegar ao mercado americano no final de 2019.

Iger informou que a empresa planeja uma nova apresentação do Disney+ em abril de 2019, com um “primeiro olhar” sobre o produto.

A plataforma terá conteúdos originais de grandes marcas do conglomerado Disney, como a Pixar, a Marvel, o universo Star Wars, além de programas da National Geographic, uma das aquisições da companhia na compra de ativos da 21st Century Fox.

A Disney ainda aguarda a conclusão dessa aquisição – de US$ 71,3 bilhões – dos produtos da Fox. A transferência deverá ser finalizada no começo do ano que vem, e parte dessa valiosa biblioteca de títulos será incorporada também pelo Disney+.

A compra de ativos da Fox deu também à Disney uma maior participação sobre o Hulu, passando a ter 60% das ações do streaming (os demais 40% são da Comcast-NBUniversal e AT&T).

Iger contou que planeja continuar investindo no Hulu, com um estilo de programação mais adulta e diferente do Disney+. O executivo informou ainda que projeta a expansão dos dois streamings para o mercado internacional, mas sem fornecer mais detalhes ou se o Brasil na rota.

De qualquer forma, a Disney mostrou que está disposta a entrar para valer no mercado de streaming, hoje dominado pela Netflix.