Wanted, no Amazon Prime Video; Dark, na Netflix. As produções alemãs estão caindo no gosto do público ocidental.

Depois de o Amazon Prime Video ter dado o sinal verde para Bibi & Tina, agora é a vez de a Netflix confirmar outras cinco novas produções originais para a plataforma de streaming. Isso além de Dogs of Berlin, série criminal de Christian Alvart sobre dois policiais corruptos na capital alemã, que entra no catálogo da plataforma no dia 7 de dezembro deste ano, também como conteúdo original.

Kelly Luegenbiehl, vice-presidente de conteúdo original da Netflix Europa, anunciou durante uma conferência em Munique (a Medientage München) que os novos títulos começarão a chegar já em 2019. Os nomes confirmados são The Barbarians, Tribes of Europe, Don’t Try This at Home, Skylines e uma quinta ainda sem nome.

Tribes of Europe é uma série futurista criada por Philip Koch para a Wiedemann & Berg Television, se passa no ano de 2070 e tem uma pegada pós-apocalíptica. Nela, a Europa foi destruída por uma misteriosa catástrofe global, e as antigas divisões já não funcionam mais. Tribos se formam com a tentativa dos sobreviventes de continuar vivendo e reconstruindo o que havia antes.

Com roteiro de Jana Burbach, Benjamin Seiler e do próprio Philip Koch, Tribes of Europe tem uma pegada similar à de The Rain, que é dinamarquesa, mas provavelmente deve trazer protagonistas mais adultos do que os adolescentes da última.

Outra história que se destaca entre as novidades é The Barbarians, uma produção de época que relata os anos de guerra do Império Romano com outros povos europeus, quando tentava invadir a região norte do continente, por volta do século 9. Mais especificamente, a trama se concentra em um episódio: a famosa batalha da floresta de Teutoburgo, na qual guerreiros germânicos visam interromper o avanço das tropas romanas.

Segundo os criadores da série, Arne Nolting, Jan-Martin Scharf e Andreas Heckmann, serão episódios repletos de inocência e culpa, lealdade e traição, amor e ódio, nos quais três jovens serão protagonistas de uma jornada entre dois mundos diferentes. Produzida pela Gaumont, The Barbarians terá roteiro de Andreas Bareiss e Rainer Marquass.

A terceira das séries será Don't Try This at Home, de Lars Montag e Arne Feldhusen para a BTF Productions. O roteiro é de Philipp Kässbohrer, Sebastian Colley e Stefan Titze. A produção será sobre um estudante de ensino médio que se une a seu melhor amigo para tentar reconquistar o coração da menina de quem ele gosta. Só que, para isso, o rapaz tem a brilhante ideia de lançar um negócio de venda de drogas online direto do seu quarto, com a intenção de torná-la a maior boca digital da Europa inteira. Walter White ficaria orgulhoso!

Skylines, por sua vez, acompanha um produtor de hip-hop em Frankfurt, que, jovem e talentoso, tem a chance mais importante de sua vida ao assinar com uma supergravadora: a Skyline Records. O problema é que, logo no começo, ele já percebe que a indústria da música é uma máquina mais nociva do que esperava, a qual converge com o mercado financeiro e o crime organizado.

A série é produzida pela Komplizen Film e pela StickUp Films, a partir da criação de Dennis Schanz e com direção de Max Erlenwein e Soleen Yusef. Como produtora, entrará no projeto Maren Ade, a responsável por dirigir, escrever e produzir Toni Erdmann, indicado ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro em 2017.

Por fim, uma quinta produção adquirida pela Netflix ainda segue sem nome, mas será um drama mais curto que as demais, focado em uma família pra lá de maluca que fica toda emotiva quando o Natal se aproxima. Escrita por Katharina Eyssen, que também faz a produção — ao lado de Jochen Laube e Fabian Maubach, ambos da Sommerhaus FIlm —, a história traz perspectivas de mulheres que finalmente decidem se abrir uma com a outra e revelar segredos que vêm sendo mantidos por décadas.

Como é possível ver pelo abismo entre as premissas de cada uma das séries, a ideia da plataforma é apostar em diversidade de estilos e gêneros, bem como valorizar conteúdos para além dos Estados Unidos. "Na Netflix, queremos contar histórias locais com apelo global. Estamos entusiasmados por ter encontrado isso nesses cinco projetos; todos são inegavelmente alemães e, ao mesmo tempo, contam histórias relevantes para os espectadores de todo o mundo”, disse Luegenbiehl.

Este texto foi escrito por Lu Belin via nexperts.