ATENÇÃO: CONTÉM SPOILERS!

Quem sente falta do intérprete de Robb Stark pode matar um pouco dessa saudade com a série Segurança em Jogo (Bodyguard), que estreou na última semana na Netflix, trazendo o ator Richard Madden no papel de David Budd, um veterano de guerra designado a proteger temida e durona Secretária de Governo Julia Montague (Keeley Hawes), cuja vida está em risco.

Criada por Jed Mercurio e dirigida por Vincent Thomas, Bodyguard foi exibida primeiro em agosto pela BBC e teve a maior audiência de estreia no Reino Unido, onde foi filmada, desde 2006. Mas não foram somente os espectadores que ficaram vidrados nesse novo suspense de ação e tramas policiais e conspiratórias. O próprio Richard Madden se diz totalmente consumido pela série e, principalmente, por seu personagem.

"Eu não sou um ator de método de forma alguma, mas se você passar 12 horas por dia na roupa de outra pessoa, pensando os pensamentos de outra pessoa, falando as palavras de outra pessoa.... Realmente tudo isso fica preso em você. Eu tive que, de certa maneira, seguir naquele estado mental obscuro durante a filmagem para tentar capturar a tensão e mantê-la durante uma cena."

Vivendo um intenso conflito, ele precisa proteger justamente a pessoa que foi uma das responsáveis por todo o inferno que viveu enquanto soldado. Ele sofre de Transtorno de Estresse Pós-Traumático (PTSD), sua vida está uma confusão, e o país está sob a ameaça terrorista, sendo que sua chefe é justamente um dos alvos.

A trama envolvente, do tipo que obriga o espectador a rever alguns episódios para não perder nada, foi o que conquistou o ator em Bodyguard. "Ao receber o roteiro dos três primeiros episódios, eu os li rapidamente e já voltei para o começo para reler. Quando eu recebo roteiros como este, fico querendo aquele trabalho porque eu quero saber o que acontece em seguida, e eu não consigo largar. Então foi um ótimo sinal."

Apesar da ansiedade, no entanto, ele seguiu sem saber os desdobramentos dos episódios o máximo que pôde, pois acreditava que ficar no suspense de quem, no fim das contas, seria o vilão da história ajudaria no processo criativo da atuação.

“Eu amei a dicotomia do personagem. Ele está constantemente lutando contra si mesmo, e eu tentei pegar quaisquer visões políticas e pensamentos disso e visualizar puramente como um drama para mim. A série aborda vários assuntos que são super-relevantes agora", diz ele, referindo-se a medidas de controle e monitoramento de dados pessoais que estão sendo avaliadas no Reino Unido.

Para o ator, Segurança em Jogo trouxe de volta um pouco do sentimento que ele tinha com Game of Thrones, de ansiedade e curiosidade junto ao público. "Fizemos parte desse grande momento em que todos puderam falar durante a semana e foi algo compartilhado. Será um pouco diferente quando for para a Netflix, mas esperamos que as pessoas consigam consumir e conversar sobre isso umas com as outras da mesma forma", disse ele, antes de a série estar na plataforma.

Este texto foi escrito por Lu Belin via nexperts.

Mais novidades sobre Bodyguard: