A 1ª temporada de Castle Rock chegou ao fim! E, como não poderia deixar de ser para uma série baseada na obra de Stephen King, nos deixou com inúmeras questões. Felizmente, a trama continua no próximo ano, e os produtores deram algumas pistas do que esperar.

Entretanto, alguns fãs ficaram frustrados com o fato de a principal questão da série não ter sido respondida: ainda temos dois Henry Deavers. The Kid (Bill Skarsgård) garantiu à Molly (Melanie Lynksey) que é de uma realidade diferente, e ela parece ter acreditado. Já o outro Henry (Andre Holland) não parece tão convencido.

The Kid chegou a tentar forçar Henry a atravessar a misteriosa porta com ele, mas o jogo virou no último instante. E nesse ponto, Henry presenciou a cena mais estranha de toda a Castle Rock: por um instante, The Kid se tornou algo que parecia um demônio azul. Durou só um momento, antes que fôssemos deixados com a imagem do The Kid preso novamente, com um estranho ar de quem espera algo.

A dúvida se mantém: quem é The Kid? O cocriador da série, Dusty Thomason, pode não ter respondido exatamente a isso, mas deu uma pista de como podemos interpretar. "Para nós, isso sempre começa com um alto nível, assim como o julgamento. Você meio que está assistindo ao julgamento de The Kid e de Henry ao mesmo tempo. Então, o motivo pelo qual nós começamos o final com um caso na corte, e falando sobre dúvida, é que queríamos sugerir à audiência a seguinte pergunta: 'No que você acredita?'"

Além disso, Thomason esclareceu o que Henry vê quando olha para a face distorcida do The Kid. "A verdade é que aquela imagem no fim é simplesmente um Bill Skarsgård muito envelhecido. O monstro que você está olhando é o Bill de 300 anos, então a questão é saber se eles têm pulado de uma linha do tempo para outra — existem muitas questões levantadas nesse momento."

Aonde Castle Rock nos levará?

Apesar de tudo dito acima, é Jackie (Jane Levy) que dá mais pistas do que poderemos aguardar no futuro. Como aspirante à escritora, a jovem está produzindo o próprio livro de terror e explicou que pretende viajar para explorar mais a história de sua própria família. E, se você se lembra, ela revelou em um episódio que seu tio é Jack Torrance, o protagonista de outro livro de Stephen King: O Iluminado. É claro que os criadores não responderam isso diretamente.

"Apesar da energia incrível da Jane Levy e da promessa, ou esperança, de que um dia ela vai se encontrar no Hotel Overlook — estou deixando essa questão em aberto —, acho que parte do que tentamos fazer nessa temporada é questionar as histórias e as pessoas. Stephen King é obviamente obcecado por histórias, por escritores, pela questão de como cada um interpreta sua própria narrativa. De algum jeito, terminar com Jackie escrevendo o próprio livro e finalmente chegando a esse momento em que ela consegue escrever sobre a própria experiência de enfiar um machado na cabeça de Gordon, como só ela poderia, parte da diversão e da ideia de que isso serviu para solidificar algumas das noções das pessoas e das histórias que existem. Histórias são um componente muito importante do que nós queríamos explorar no começo, e terminar com Jackie e sua divertida interpretação da própria história, com a promessa de algo mais, nos pareceu certo."

Há outro ponto importante sobre a premissa de Castle Rock: não se centrar em uma única trama. Existe a possibilidade de a 2ª temporada trazer tudo diferente, segundo explica o cocriador Sam Shaw. "Parte do que nós decidimos fazer desde o começo é contar uma nova história a cada temporada, para ver coisas que não vimos antes, partindo do ponto de vista de personagens que nós nunca vimos em nenhuma temporada. Dito isso, acho que existe algo incrível no jeito que Stephen [King] amarra sua antologia e seu universo — você vê Callahan em 'Os Vampiros de Salém' e então o encontra novamente em 'A Torre Negra'. O prazer de se reencontrar em histórias ou personagens que você conhece, mas de um jeito inesperado, é uma vantagem enorme e empolgante dessa série. Eu acho que é algo que nós podemos fazer e permitir que isso seja uma antologia, mas ainda apanhar histórias e personagens que amamos. Só que isso pode não acontecer do jeito que você imagina."

Este texto foi escrito por Verenna Klein via nexperts.