A 6ª temporada de Orange Is the New Black acaba de chegar à Netflix, e os fãs estão ansiosos para a 7ª — que já foi confirmada! Mas não era para menos: a série apresentou uma bocado de mudanças bastante importantes para a trama. Se você acabou de assistir a tudo e quer assimilar o que aconteceu, venha com a gente!

Liberdade inesperada

O último episódio da temporada acaba enquanto Hopper (Hunter Emery) avisa a Piper (Taylor Schilling) que ela será liberada muito mais cedo — no caso, no dia seguinte. Entretanto, em vez de ficar completamente feliz, ela se mostra preocupada: afinal, Alex (Laura Prepon) continuará em Litchfield por alguns anos. E por mais que ela tente dizer que vai ficar tudo bem, Piper não se convence — afinal, esperava ficar ao menos mais alguns meses na cadeia, o que daria algum tempo para planejar um casamento.

Para tranquilizar Piper, Alex organiza um casamento improvisado. O momento é uma das cenas mais bonitinhas da temporada — e pensando nas seguintes do episódio, provavelmente o último momento de razoável tranquilidade. Piper insiste que Alex siga as regras da prisão, para que sua pena não aumente e elas possam finalmente ficar juntas. Justo nesse momento, Badison (Amanda Fuller) interrompe para entregar uma faca à Alex, para que elas se preparem para a guerra entre gangues disfarçada de jogo de kickball. Vale lembrar que, um pouco antes, a vimos jogar um papel amassado na privada — e se parece muito com sua inscrição para a faculdade, que ela disse à Piper que havia encaminhado.

Então, vemos que não foi só Piper que ganhou liberdade: Sophia (Laverne Cox) e Blanca (Laura Gómez) também estão saindo. Mas elas não estão mais tranquilas do que a protagonista. Sophia é recebida pela esposa, enquanto lida com o fato de que sua saída foi às custas da liberdade de Taystee (Danielle Brooks). Para Blanca, a situação é pior: ela espera ser recebida por seu namorado, Diablo — em vez disso, é conduzida ao setor de Imigração, para enfrentar outra prisão e, possivelmente, uma deportação.

Isso só serve para contrastar novamente os privilégios de Piper: ela é recebida por seu irmão, que pergunta o que ela pretende fazer da vida a partir de então. Ela não tem uma resposta — e muitos estão especulando que ela irá escrever suas memórias da prisão, como fez a Piper da vida real, que inspirou a série. E se você não gosta da protagonista, isso pode ser uma boa notícia: existem muitas chances de vermos menos cenas com ela.

Lutando suas próprias batalhas

Na área externa de Litchfield, a tensão só aumenta; Badison convocou uma briga entre as gangues da prisão, durante uma partida de kickball. O momento promete ser violento, e felizmente Nicky (Natasha Lyonne) consegue impedir Lorna (Yael Stone) de participar do jogo. Bem a tempo: ela entra em trabalho de parto, longe das gangues.

Felizmente, alguém é esperta e corajosa o suficiente para tentar impedir uma tragédia: Maria (Jessica Pimentel). A detenta não avisa que haverá uma briga, mas convence a guarda McCullough (Emily Tarver) de que é necessário escolher novos times para o jogo, já que Piper era a capitã do bloco C. A estratégia funciona: como não há uma disputa direta entre os blocos C e D, o embate direto fica difícil.

Badison até tenta articular suas parceiras, mas ninguém parece interessado. Nicky toma a voz e diz o óbvio: ela não tem nada contra as outras detentas, e essa briga não é por elas, mas sim por conta das divisões injustas da prisão. Então, as outras abandonam suas facas, e o jogo continua como uma simples partida.

Por fim, outra disputa: as irmãs Carol (Henny Russel) e Barb (Mackenzie Phillips) Dennings resolvem pôr fim à briga de anos. Elas se encontram em um depósito durante o jogo, para esperar o momento certo de tentar matar Frieda (Dale Soules). Como a guerra não acontece, elas relembram ressentimentos antigos e se voltam uma contra a outra. Após um flashback de uma antiga briga entre as duas, encontramos o pescoço de Barb cortado, e Carol tem uma faca em suas costas.

Orange Is the New Black mostra falhas no sistema prisional

Um dos pontos importantes da série são as críticas ao sistema prisional estadunidense, e tudo piora quando Litchfield é privatizada. Tudo que importa são números e lucro, o que impede inclusive o treinamento dos guardas. É aí que chegamos a um momento crucial: a morte de Poussey (Samira Wiley), na 4ª temporada. A tragédia motivou a rebelião que foi o eixo da 5ª e levou as detentas à segurança máxima na 6ª.

E se Taystee sofreu na 5ª temporada, lidando com o luto por sua melhor amiga e a revolta contra um sistema injusto, tudo só piora na 6ª. Ela é considerada culpada pela morte de Piscatella (Brad William Henke), mesmo que seja inocente.

Se você não se lembra, a gente ajuda: na temporada anterior, Desi Piscatella era um guarda cruel, que chegava ao ápice de torturar várias detentas (Nicky, Piper, Red, Alex, Blanca e Big Boo) durante a rebelião. Por fim, elas conseguem virar o jogo e se salvar, tomando-o como refém. Mas Red (Kate Mulgrew) decide que elas não são cruéis como ele e acaba libertando o homem. Enquanto tenta sair de Litchfield, Piscatella encontra a equipe da SWAT, que visa acabar violentamente com a rebelião. Um dos soldados acaba disparando, e o guarda morre. É claro que eles não iriam assumir a falha, então resolvem culpar uma das detentas: Taystee, que tomou a frente em vários momentos.

Desacreditada, ela chega à conclusão de que não encontrará justiça para si mesma ou para Poussey. Caputo (Nick Sandow) tenta apoiá-la, em vão: o júri declara a detenta culpada, e a pena é prisão perpétua em segurança máxima. Vale lembrar que ela foi presa inicialmente por tráfico de drogas, assim como Piper.

Mas resta uma última esperança: ela ainda pode recorrer da decisão do júri. Será que ainda é possível ter um final feliz?

O núcleo das latinas não vai bem

Uma pergunta que passou pela mente de todos que assistiram aos episódios foi: onde estão as outras detentas? A maior parte delas continuou em Litchfield, só que na segurança máxima, enquanto outras foram mandadas para "uma prisão ao sul". E dessas, a que mais fez falta foi Maritza (Diane Guerrero): ela e Flaca (Jackie Cruz) são amigas inseparáveis e duas das personagens mais queridas da série. No momento, Guerrero foi escalada para o elenco da série de Jovens Titãs: será que ela ainda voltará para Orange Is the New Black?

Enquanto isso, outra personagem do núcleo enfrenta sérios problemas: Daya (Dascha Polanco). Na segurança máxima, ela se envolve com Daddy (Vicci Martinez). Apesar de se tornar uma das personagens queridinhas dos fãs, Daddy vicia Daya em drogas, além de convencê-la a dar um jeito de traficá-las. Então, ela convence sua mãe, Aleida (Elizabeth Rodriguez) a ajudar a contrabandeá-las para dentro de Litchfield, já que ela tem contato com o capitão da penitenciária. Mais tarde, Aleida descobre que Daya também está viciada e entra em um dilema. Infelizmente, ela acaba decidindo continuar, pois precisa do dinheiro para sustentar seus outros filhos e impedir que eles também acabem presos.

Este texto foi escrito por Verenna Klein via nexperts.