Nos últimos anos, as franquias têm se tornado cada vez mais populares — e, consequentemente, mas rentáveis. Parece que produtores não pensam duas vezes em prolongar uma história por três ou mais filmes, mesmo que às vezes não parecesse uma boa ideia inicialmente.

Há até quem diga que a sequência é sempre pior do que o primeiro filme! Mas estamos aqui para provar que isso não é verdade: muitas produtoras aprendem com seus erros (e acertos também) e entregam produtos que são bem mais bem recebidos pelo público e pela crítica, de modo geral. Com base nas avaliações do site Rotten Tomatoes (que permite que usuários e críticos deem notas a filmes), montamos a lista que você confere abaixo.

1. Thor: Ragnarok

Depois que Thor: Ragnarok foi lançado, ninguém entendeu por que tentaram dar uma carga sombria aos filmes do herói. Thor: O Mundo Sombrio, do diretor Alan Taylor (O Exterminador do Futuro: Gênesis), tem uma carga dramática mais pesada, que nem as tiradas engraçadas dos personagens conseguem resolver. Ele tem 66% de aprovação no Rotten Tomatoes, o que é uma nota muito baixa para um filme que tem no elenco nomes como Natalie Portman (Cisne Negro) e Anthony Hopkins (O Silêncio dos Inocentes). Se o ponto alto da franquia era arrancar boas risadas, por que não fizeram uma comédia logo?

Felizmente, a Marvel resolveu inovar chamando o diretor Taika Waititi, responsável por comédias indies, como O Que Fazemos nas Sombras. Nas mãos de dele, Thor ficou inegavelmente engraçado sem ser idiota nem deixar de lado a ação — ganhamos cenas incríveis em câmera lenta! Além de, claro, contar com a adição de Tessa Thompson (Westworld) e Cate Blanchett (Carol) ao elenco. E tanto a crítica quanto o público receberam bem a mudança: o índice de avaliações positivas subiu para 92%.

2. Annabelle: A Criação do Mal

Criado como um spin-off da bem-sucedida franquia Invocação do Mal, Annabelle tinha tudo para ser de arrepiar: uma boneca pavorosa, uma franquia de sucesso e uma história já assustadora por trás. Acontece que as atuações não convencem muito, e com certeza o roteiro preguiçoso não facilita: alguns closes assustam por conta do som e da surpresa, mas o espectador pode dormir tranquilamente à noite. Talvez a duração do filme tenha arrastado a trama, que poderia ter funcionado bem como um curta. Enfim, ele ganhou a péssima nota de 22%, o que é REALMENTE surpreendente.

Entretanto, não desistiram da boneca, e então surgiu Annabelle: A Criação do Mal. O roteirista é o mesmo do primeiro filme, Gary Dauberman. David F. Sandberg assumiu a direção, e todos os atores foram trocados, o que parece ter sido uma boa ideia. Não se tornou um grande filme ou sucesso de crítica (embora seja de bilheteria), mas garante 70% de aprovação.

3. Ouija: A Origem do Mal

Bem, filmes de terror não são famosos por seus títulos criativos, não é? Para constar, Ouija 2 veio antes de Annabelle 2 — e os dois contam com a talentosa atriz mirim Lulu Wilson.

Lançado em 2014, Ouija é ruim. Não traz nada de novo para o gênero, e mesmo seus momentos assustadores não convencem; em vez disso, são meio ridículos. E parece ser um consenso: a taxa de aprovação do filme é de míseros 6%, o que é muito, muito pouco. Então, quando a sequência chegou a 83% de aprovação, foi uma boa surpresa. O diretor e roteirista Mike Flanagan (Jogo Perigoso) se saiu bem.

4. Velozes e Furiosos 5: Operação Rio

Demorou, mas a glória chegou para Velozes e Furiosos. No quarto filme da franquia, parecia que tinha tudo para dar certo. Uma franquia milionária, carros acelerando, Vin Diesel e outros personagens da franquia de volta! Infelizmente, deu errado: muita gente achou o longa idiota e confuso em relação aos outros. Acabou tendo só 28% de aprovação!

Mas tudo fica bem quando chega o quinto, e nem é só porque eles vêm ao Brasil. O ritmo é muito mais fluido, e quem é fã da franquia pode continuar a curtir os filmes e falar com tranquilidade: Operação Rio chegou a 77% de aprovação no Rotten Tomatoes.

5. Duro de Matar 4.0

Ele ganhou uma tradução meio preguiçosa: o original é Live Free or DIE HARD, algo como "viver livre ou morrer tentando". Mas a gente perdoa, porque o filme é muito bom. O anterior, Duro de Matar: A Vingança, é bom, mas não traz nada de novo — e perde a qualidade da metade para o fim. Não à toa, o terceiro da franquia acaba com 52% de aprovação.

Mas em Duro de Matar 4.0 as coisas são promissoras: saltos de prédios, batidas de carros de polícia, helicópteros... Tudo o que a gente gosta. Risadas gostosas, explosões e pancadaria rendem ótimos 82%.

6. X-Men: Primeira Classe

Não dá para negar que essa nova geração de X-Men era a guinada de que a franquia precisava. A primeira série de adaptações dos mutantes começou bem, e esperávamos algo bom de X-Men: O Confronto Final — o que simplesmente não aconteceu. Apesar de ter conseguido uma boa bilheteria (US$ 459 milhões), o filme decepcionou muito os fãs: apenas 58% de aprovação. E olhando hoje, mais de uma década depois, a pergunta que não quer calar é: qual era a daqueles cabelos pavorosos?

E então, resolveram rejuvenescer os X-Men. Não é um filme incrível, e o roteiro nem é grande coisa. Mas os atores convencem — James McAvoy, Michael Fassbender, Jennifer Lawrence, Kevin Bacon — e a trama funciona. Além disso, novos ares fizeram bem à franquia e renderam ótimos novos filmes e histórias. E claro: 86% é uma excelente nota.

7. Logan

Estamos considerando os spin-offs de Wolverine uma franquia à parte, ok? E sejamos honestos: é uma que evoluiu bastante. X-Men Origins: Wolverine, com exceção do fato de ver Wolverine lutando com um helicóptero e coisas assim, chega a ser entediante — apenas 37% de aprovação. Em Wolverine Imortal, as coisas melhoram bastante e fica tudo realmente interessante: a prova é o pulo para 69%.

Entretanto, é com Logan que o herói mostra seu valor — o que é irônico, uma vez que o filme traz o Wolverine enfraquecido, doente e, mesmo assim, se importando em ser um herói. Não é sobre violência e pancadaria, é sobre humanidade. E é nessa maturidade que o diretor James Mangold (Garota, Interrompida) merece seus 90% de aprovação.

8. Missão Impossível: Protocolo Fantasma

Surpreendentemente, Missão Impossível é uma franquia muito bem avaliada no Rotten Tomatoes. O terceiro filme, dirigido por J. J. Abrams (Lost), já conseguiu uma boa qualificação: 70%. Afinal, quem não gosta de ação, manobras perigosas e tensão à flor da pele em um filme para entreter?

Mas Protocolo Fantasma superou expectativas. A trama é empolgante, com drama e ação na medida certa, e o diretor Brad Bird (Os Incríveis) consegue deixar todo mundo roendo unhas na ponta do sofá até o último instante. E no fim, é tudo bem recebido: 93% de aprovação.

9. Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros

Se você é um grande fã de Sessão da Tarde, pode se chocar com a informação a seguir: Jurassic Park não é bem avaliado. Quer dizer, o primeiro sim (93%), mas os outros sequer chegam a 55%.

Mas a nova versão do universo criado por Steven Spielberg está dando certo. Não é uma grande mudança, mas 71% é um passo à frente do original. Talvez não alcance, mas com certeza o diretor Colin Trevorrow está conquistando o seu lugar no entretenimento, com cenas incríveis para a telona e uma boa dose de sustos e claro, dinossauros. Talvez o maior sinal de seu sucesso seja sua bilheteria: gigantescos US$ 1,6 milhão.

10. Madagascar 3: Os Mais Procurados

Outra surpresa é que os gringos (afinal, a maior parte das avaliações do Rotten Tomatoes vêm de fora do Brasil) não gostam muito de Madagascar — ao menos, não do primeiro, que tem uma avaliação de 55%. No segundo filme da franquia, Madagascar 2: A Grande Escapada, as coisas ficam mais consistentes: os personagens são mais bem desenvolvidos, é o traço mais trabalhado e o humor, mais refinado. Então, como era de se esperar, uma melhora na taxa de aprovação: 64%.

Madagascar: Os Procurados é o toque final. Cada vez mais colorida e frenética, a animação deixou de ser entretenimento apenas para as crianças e, agora, é realmente interessante para que os pais se envolvam. E claro, os números sobem: 79%!

Este texto foi escrito por Verenna Klein via nexperts.