Este tem sido um bom ano para o cinema. Ainda estamos na metade dele, e dois filmes já ultrapassaram US$ 1 bilhão na bilheteria: Vingadores: Guerra Infinita e Jurassic World: Reino Ameaçado!

A bilheteria mundial aumentou em 8% em relação a 2017, enquanto a bilheteria de verão dos EUA (que corresponde às férias, então costuma ganhar bons números) chegou a aumentar 15%! Mas também, no verão do ano passado, os filmes não eram de franquias tão bem-sucedidas — tivemos, por exemplo, A Múmia e Transformers: O Último Cavaleiro.

Segundo Jeff Block, analista de bilheteria na Exhibitor Relations, a questão é bem simples: "Neste ano, as sequências são realmente boas. Cinéfilos podem não querer ouvir isso, mas sequências, spin-offs e super-heróis têm liderado as bilheterias. A diferença entre este e o ano passado é que Hollywood está oferecendo sequências que a audiência realmente quer ver".

Entretanto, uma coisa curiosa aconteceu: filmes que costumam ser bem-sucedidos, como comédias, estão arrecadando bem abaixo do esperado. Por isso, trazemos até você uma lista comparativa: 5 bilheterias de muito sucesso, e 5 que não alcançaram o esperado. Mas atenção: isso não significa que os filmes sejam bons ou ruins.

5 vitórias e 5 fracassos da bilheteria mundial

1. Grandes produções

Vitória: Pantera Negra

Kevin Feige falou algum tempo atrás que demoraram a fazer um filme só com atores negros porque alguns executivos achavam que não daria lucro. Pantera Negra chegou para mostrar que isso foi um erro: o filme tem a maior bilheteria dos filmes solo de heróis da Marvel, e sua bilheteria mundial chegou a US$ 1,3 bilhão. Além disso, nos EUA, o filme de Wakanda tem a maior bilheteria DO ANO. Nada mal, hein?

Fracasso: Solo: Uma História Star Wars

Para qualquer filme, uma bilheteria de US$ 370 milhões não seria pouca coisa. Mas Solo não é um qualquer e, dentro do Universo Star Wars, esse número é bem menor do que o esperado — afinal, se trata de uma franquia super bem-sucedida. Além disso, Solo não foi bem recebido nem pela crítica nem pelos fãs, e a franquia está com medo de que isso signifique que o público está se cansando desse Universo. Mas isso ainda é cedo para se afirmar.

2. Surpresas na bilheteria

Vitória: Um Lugar Silencioso

O filme estrelado por Emily Blunt (A Garota no Trem) foi uma das maiores surpresas do ano. O universo em que monstros atacam seres que fazem sons, do diretor John Krasinki, custou US$ 17 milhões. Mas esse investimento valeu muito a pena: a bilheteria mundial beira os US$ 330 milhões — para você ter noção, isso é um pouco mais do que o bem-sucedido Invocação do Mal. É um ótimo momento para os fãs de filmes de terror: o gênero está mostrando que não só é capaz de reinvenções, como também é um dos mais lucrativos da indústria.

Fracasso: Uma Dobra no Tempo

As apostas com o filme foram altas. Não só é dirigido pela premiada Ava DuVernay (Selma: Uma Luta Pela Igualdade), como o elenco é recheado de nomes como Oprah Winfrey e Reese Witherspoon. Entretanto, ele foi uma surpresa negativa para a Disney: os US$ 100 milhões de orçamento renderam US$ 132 milhões de bilheteria; ou seja, uma margem de lucro bem abaixo do esperado para um filme desse porte.

3. Saindo da zona de conforto

Vitória: Eu Só Posso Imaginar

Eu Só Posso Imaginar surgiu como uma grande surpresa: com apenas US$ 7 milhões de orçamento, sua bilheteria nos EUA chegou a US$ 83 milhões. Parece pouco comparado aos outros títulos da lista, mas lembre-se: é um filme de baixo orçamento e produção independente. Além disso, é religioso — é um drama sobre um músico que tem uma relação complicada com seu pai e é consolado por Deus através da música. Ainda não dá para saber sua bilheteria mundial, já que a princípio o longa só seria exibido nos EUA; devido ao sucesso, ele agora vai ser distribuído mundialmente.

Fracasso: No Olho do Furacão

Do diretor Rob Cohen, da surrealmente duradoura franquia Velozes e Furiosos, o filme tem tudo o que filmes de ação costumam ter. Desastres naturais, muito CGI e crimes. Qual não foi a surpresa quando a bilheteria mundial chegou a apenas US$ 15 milhões?! A título de comparação, a bilheteria estadunidense chegou só a US$ 6 milhões, bem menos do que o alcançado por Eu Só Posso Imaginar. E a situação ainda piora: o filme custou US$ 35 milhões para ser feito — ou seja, o valor arrecadado não foi suficiente nem para pagar a produção.

4. Categorias de muita audiência

Vitória: filmes de verão

Os chamados summer movies englobam a segunda metade do primeiro semestre, de maio a junho (com uma margem de erro de alguns dias). Costumam ser enredos leves, a que crianças e adolescentes podem assistir — afinal, eles estão em férias de verão. Às vezes, chegam a ser longas tão leves que são bobos e cansam a audiência, mas, dessa vez, estão batendo altos números de bilheteria. É o caso de Vingadores: Guerra Infinita (que chegou a US$ 2 bilhões!), Jurassic Word, Os Incríveis 2 e Deadpool 2. Ainda existem alguns filmes da categoria para serem lançados antes que as férias das crianças acabem, como Skyscraper e Mission: Impossible — Fallout.

Fracasso: comédias

Alguns anos atrás, comédias eram uma certeza de centenas de milhões na bilheteira. Títulos como Se Beber, Não Case ou estrelados por Adam Sandler arrecadavam isso tranquilamente, mas não acontece mais. Filmes de comediantes famosas, como Melissa McCarthy e seu Alma da Festa ou Amy Schumer e seu Sexy Por Acidente, não chegaram perto de US$ 100 milhões mundiais. Se você pensa que é só por serem mulheres, não é bem por aí: Missão Madrinha de Casamento, também com McCarthy, chegou a US$ 288 milhões.

5. Estúdios

Vitória: Fox e Disney

É bem possível que, em breve, as duas companhias sejam uma só. Mas, mesmo agora, lideram as bilheterias, tanto mundiais como as de Hollywood. Pense nas grandes bilheterias: Pantera Negra, Vingadores: Guerra Infinita, Os Incríveis 2, Deadpool, Bohemian Rhapsody. Isso sem entrar em maiores detalhes, como o restante da Marvel. Combinadas, as duas empresas chegam a quase metade do mercado! Isso com certeza é algo a ser considerado quando pensarmos que elas podem se fundir logo, logo.

Fracasso: Paramount

Considerando os principais estúdios — Disney, Fox, Universal, Warner, Sony e Paramount —, a Paramount foi a que deteve as menores bilheterias neste ano: o equivalente a 5,5% das locais. A única grande arrecadação foi a de Um Lugar Silencioso! De resto, houve alguns poucos sucessos medianos, como Aniquilação (que foi vendido para a Netflix). Mas dá para piorar: a companhia resolveu colaborar com a nova produção de Johnny Knoxville, de Jackass. Action Point só foi exibido nos EUA, chegando a míseros US$ 5 milhões na bilheteria — sendo que o filme custou US$ 19 milhões para ser feito!

Este texto foi escrito por Verenna Klein via nexperts.