Depois de um hiato de 1 ano e meio, UnREAL retornou às telas pela Lifetime nesta segunda-feira (26). A série protagonizada por Quinn (Constance Zimmer) e Rachel (Shiri Appleby) vai seguir um direcionamento diferente das duas primeiras temporadas, que promoveram polêmica ao fazer referência direta ao reality show Bachelor in Paradise, da ABC.

Everlasting, um reality no qual um solteiro bom partido procura uma esposa e deve escolher entre as candidatas, que vão sendo eliminadas a cada episódio, vai mudar um pouco a direção, trazendo desta vez uma solteira mulher, e não um homem, como tinha sido até então.

Essa mudança chega como recurso desesperado de Quinn para salvar a produção, que está prestes a ser cancelada. Será que vai dar certo?

Em entrevista ao The Hollywood Reporter, a produtora executiva da série, Sarah Gertrude Shapiro, e a showruner Stacy Rukeyser contaram que a ideia de trazer uma mulher bem-sucedida, independente e inteligente foi inspirada na ex-primeira dama dos Estados Unidos, Hillary Clinton.

“Nós começamos a escrever essa temporada quando todo mundo pensava que Hillary Clinton seria a próxima presidente dos Estados Unidos", disse Stacy. "É muito engraçado, nós literalmente escrevemos pensando: "Isso, então no clima de Hillary..." comentou Sarah.

Mas a inspiração não foi apenas a maior abertura a ideias feministas que é resultado de ter uma mulher no comando da maior potência econômica mundial. O que despertou a atenção das duas criadoras da série foi ver as questões com as quais a então candidata se deparava durante sua campanha e perceber que, em pleno 2016, uma mulher inteligente, independente e forte ainda é uma das questões que mais assustam a América. E foi assim que nasceu Serena (Caitlin FitzGerald).

Como muitas mulheres de sucesso, Serena tem tudo no lugar em sua vida, mas fica cada vez mais difícil encontrar um parceiro adequado. E assim ela decide embarcar na ideia de Everlasting para ver se tem a sorte de encontrar por lá um marido.

Segundo elas, foi justamente quando Trump foi eleito presidente que elas perceberam o quão necessário é colocar mulheres fortes e independentes na tela, mostrar que elas existem e importam.

As produtoras contaram ainda que, no dia seguinte à eleição, em uma reunião da equipe de produção, todas as mulheres na sala se mostraram agradecidas por estarem fazendo parte disso em um momento delicado da representatividade feminina.

Além do direcionamento para uma solteira mulher, o programa precisa dar continuidade na 3ª temporada aos dramas pessoais das protagonistas.

Por trás das câmeras

Afinal, não é apenas Serena que está passando por um momento difícil em que carreira e vida pessoal entram em conflito. A 2ª temporada deixou uma Quinn abalada pela notícia de que não pode ter filhos e ainda por cima solteira, já que isso também a levou a terminar seu relacionamento.

Segundo as idealizadoras de Unreal, esse drama pessoal de Quinn interfere na escolha de Serena, já que Rachel quer ajudar a amiga a perceber que ela não é a megera que ela (e todo o resto do mundo?) pensa e que também pode ser amada.

Ao mesmo tempo, Rachel continua lidando com sua bagunça mental, buscando ajuda profissional e enfrentando sua própria falta de autoconhecimento, com a ajuda (não totalmente desinteressada) de Quinn.

Com tantas mulheres complexas, confusas e empoderadas — embora com um plot quase nada favorável às mulheres —, Unreal lida com críticas severas de feministas, ao mesmo tempo que é apontada como uma série feminista.

Como as criadoras lidam com isso? É tudo uma questão de se apoiarem e aceitarem as escolhas, ainda que sejam diferentes das nossas.

“Feminismo é complicado, e nós deveríamos ter mais compaixão umas com as outras. Se a sua forma de de feminismo é que você quer colocar uma aliança no dedo, tanto faz. Nós deveríamos garantir o seu direito disso. E se significa que você quer ficar sozinha para sempre e gerenciar um abrigo para gatos, isso é lindo, e nós deveríamos ter esse direito também”, disse Sarah durante a entrevista.

Este texto foi escrito por Lu Belin via n-Experts.