As redatoras do Minha Série embarcaram na missão de conferir todas as séries estreantes desta temporada. Confira aqui o que a Bárbara achou de Running Wilde!

Running Wilde
Estreia nos Estados Unidos: 21 de setembro.
Estreia no Brasil: não definida.
Episódio assistido: 1x01 ”Pilot” e 1x02 "Into the Wilde".




Para um fã de Arrested Development, saber que Will Arnet (que interpretava o Gob) e as mentes por trás da clássica série estavam de volta em um novo projeto de comédia foi o suficiente para ficar animado com Running Wilde. Além disso, uma das protagonistas é Keri Russel, a estrela de Felicity— o que reforça a ideia de que a estreia tinha tudo para dar certo. No entanto, não é isso o que acontece.

Apesar de grandes nomes na produção e no elenco, Running Wilde não passa de uma comédia pouco engraçada, o que coloca em questão o seu tempo de sobrevivência.

A série, que se denomina uma comédia romântica, conta a história do rico e excêntrico filho do dono de uma companhia de petróleo, Steve Wilde (Will Arnet), e narra a sua reaproximação do primeiro amor, Emmy Kadubic (Keri Russell), uma ativista que se dedica a causas humanitárias.

O romance entre dois opostos extremos, apesar de ser clichê, poderia mais gerar cenas engraçadas, mas não é o que ocorre. Poucas vezes ri com o primeiro episódio e, menos ainda com o segundo. No trailer que legendamos em maio, estão as cenas mais engraçadas do episódio piloto e a série não tem momentos melhores do que esses:




Os personagens são pouco carismáticos: Steve é excêntrico demais e de uma maneira que não chega a ser engraçada como ocorre com Sheldon em The Big Bang Theory, por exemplo. Além disso, ele não tem nenhum grande atrativo que explique por que uma pessoa tão oposta, como Emmy, se apaixonaria por ele.

Já Emmy é altruísta demais, chegando ao ponto de ser uma personagem enfadonha. O exagero é o tom da comédia na construção desses personagens, o que, novamente, poderia funcionar se fosse bem feito.

O desapontamento com a nova série de Will Arnet (Steve) e Keri Russel (Emmy) foi geral entre os críticos e os números de audiência refletiram a opinião do público: Running Wilde começou mal e vem perdendo mais telespectadores a cada semana. Segundo análises do TV by the Numbers, site de estatísticas de audiência, a série tem mais chances de ser cancelada do que renovada.

Pontos negativos: É uma série de comédia que não encontrou o seu caminho e que não se sustentará por muito tempo se não encontrar histórias realmente divertidas de contar.

Pontos positivos: O elenco tem grandes nomes e eles atuam bem. A premissa é boa (dois opostos extremos que se atraem) e um roteiro melhor escrito poderia tornar a série mais divertida.

Recomendado para quem... realmente quer conferir todas as estreias desse ano ou está louco para ver Will Arnet e Keri Russel como um par romântico e é grande fã do trabalho deles. Quem procura por uma boa nova comédia, deve conferir a nossa análise de Raising Hope.