A sétima temporada de The Walking Dead começou da forma prometida pelos produtores e astros da produção em diversas entrevistas ao longo da pausa entre ciclos: de forma surpreendente, impactante e com direito a muita, muita violência.

Listamos abaixo os cinco cenas mais sanguinárias, sádicas e intensas que fizeram parte da narrativa da estreia e que dão o tom do que veremos nos próximos episódios.

Como não podia deixar de ser, o texto as seguir está recheado de spoilers para quem não acompanhou o episódio “The Day Will Come When You Won’t Be”, que abriu a narrativa deste novo ano. Portanto, siga por sua conta e risco:

A morte de Glenn

Certamente a morte mais trágica foi a de Glenn, ainda mais quando sabemos que o personagem estava prestes a se tornar pai pela primeira vez. Além disso, este é o segundo assassinato da noite, algo que poderia ter sido evitado caso as coisas tivessem transcorrido de forma diferente (no caso, se Daryl não tivesse partido para cima de Negan).

Apesar de já existir nas HQs e contar, mesmo lá, com uma grande violência e intensidade, foi complicado assistir Glenn — um dos personagens mais queridos da produção — receber os golpes de Negan.

Fonte da imagem: Reprodução/AMC

Como se tudo isso não fosse suficiente, a situação fica ainda mais dramática quando, já com o olho saindo do crânio, Glenn se vira para Maggie e diz: “Eu vou te encontrar”, que remete a toda a relação do casal durante a série.

Durante o programa Talking Dead, que reuniu todos os atores da atração em um último adeus aos mais recentes falecidos, Lauren Cohan declarou que as palavras finais de Glenn significam que ele estará presente para a esposa mesmo após a morte, ou seja, cuidará dela e do bebê de um lugar melhor.

Steven Yeun ainda declarou que seu personagem morreu “da forma Glenn de ser, ainda sem pensar em si mesmo. É importante que ele diga essas palavras finais como uma forma de dizer ‘cuidem uns dos outros’”.

A Morte de Abraham

Assim como aconteceu com Glenn, Abraham também mostrou quem realmente era nos seus momentos finais. Mesmo após receber a primeira paulada vinda de Lucille, o personagem ainda se manteve ereto e disse “suck my nuts” (em tradução livre, “chupa meus bagos”) para Negan, ou seja, deu fim à sua vida insultando aquele que brandia o taco em sua direção.

Fonte da imagem: Divulgação/AMC

A aposta de que Abraham seria a vítima do vilão era grande, ainda mais tendo em vista as palavras que escutamos ao fundo (“aguentando como um campeão”) quando Negan começa a bater em sua vítima na season finale passada. Nem por isso, a cena foi menos intensa, ainda mais se contarmos a reação de Rosita diante do ataque.

O braço que quase se foi

A terceira cena que trouxe impacto para a temporada não foi exatamente sanguinária, mas contou com uma carga dramática de tirar o fôlego. Para finalmente “quebrar” Rick e seu orgulho, Negan pede para seus comparsas apontarem as armas nas cabeças de todos os personagens e chama Carl para se postar ao lado do pai, declarando que, se Rick não cortar o braço do garoto, todos os outros vão morrer.

É nesta hora que vemos o altivo líder dos sobreviventes, que poucas vezes sucumbiu (nem mesmo nas situações mais complicadas), começar a implorar pelas vidas dos outros e para cortar seu próprio braço no lugar do filho.

Fonte da imagem: Divulgação/AMC

“Pai, apenas faça”, declara Carl. Rick levanta o machado para realizar o golpe, mas Negan evita que isso aconteça, já que atingiu seu objetivo de conquistar o inimigo. “Este é o olhar que eu queria ver”, afirma o vilão, que percebe que o antigo líder não está mais com ódio, mas sim, mostra medo e resignação.

A horda de zumbis

Logo no início do episódio e antes mesmo de mostrar quais foram as vítimas de Lucille, Rick e Negan fazem um pequeno “passeio” rumo a uma horda de zumbis, local em que o vilão continua a jogar com a mente do inimigo.

Ele joga uma machadinha para fora do trailer (a mesma que faz Rick usar para quase cortar o braço de Carl) e pede para Rick ir buscá-la, ao mesmo tempo em que deve “pensar no que acaba de acontecer”, ou seja, nas mortes que ocorreram.

Fonte da imagem: Divulgação/AMC

É neste momento que a série mostra Negan acabando com as vidas de Abraham e, mais tarde, Glenn, em uma espécie de flashback, para o desespero de Rick. Quando parece que o pai de Carl vai perder a vida diante dos diversos zubis que o cercam, Negan usa sua arma para acertar os errantes e dá a oportunidade para Rick voltar com a machadinha para dentro do trailer.

Vale relembrar que, segundo informações de bastidores, diversas cenas de morte foram gravadas em The Walking Dead, para que ninguém soubesse exatamente quais seriam as vítimas verdadeiras de Negan. Essas cenas também foram usadas na narrativa, quando Rick pensava, a pedido de Negan, no que “poderá acontecer” caso não siga as ordens do líder dos Salvadores.

O triste adeus

Para completar, a cena do final do episódio e a dor de Maggie diante da morte do marido completam a devastação trazida por Negan. Infelizmente para o vilão, Maggie não parece disposta a aceitar tudo o que aconteceu de forma pacífica.

Fonte da imagem: Divulgação/AMC

Com a ajuda dos outros, os corpos são levados para uma caminhonete rumo a Hilltop por Maggie e Sasha, ao mesmo tempo em que Rick retorna para Alexandria a fim de revelar quem é o novo personagem no comando de suas vidas. A nossa aposta é a de que Maggie tenha sua vingança, mais cedo ou mais tarde. Será?

Marque na agenda: o próximo episódio de The Walking Dead, que apresentará pela primeira vez o Reino, vai ao ar no próximo domingo, dia 30 de outubro, na televisão norte-americana.