Aí você está no ônibus ou metrô, aquela atração que você tanto esperava na Netflix acabou de estrear e tem uma pessoa na sua frente assistindo no smartphone. Costuma pegar aquela carona para dar uma espiada? E quando está assistindo na fila do banco e alguém estica o pescoço para ver o que está assistindo, você deixa?

Bem, esse comportamento está acontecendo com mais frequência, segundo dados divulgados pela Soko Crafting Connections: a alta de 25% de utilização do serviço de streaming em dispositivos móveis projeta tendência de pessoas que não se importam em bisbilhotar ou compartilhar suas telas.

A pesquisa global aponta que 67% dos entrevistados estão dispostos a expor suas emoções em público ao assistir o conteúdo fora de casa. E o Brasil está acima da média quando se trata desse quesito. A galera não se importa de roer as unhas e dar risadas ao ver Stranger Things em aviões (49%), ônibus (45%), cafés (47%), filas (39%), no carro (33%) e na academia (24%).

Quase a metade das pessoas (45%) já foi surpreendida por xeretas em transporte coletivos e 61% já confessaram ter feito o mesmo ao ver o display de alguém por perto. A grande maioria (71%) recusou-se a parar de acompanhar a trama por causa disso.

Mas e o spoiler, como é que fica?

Pois é, dividir o conteúdo da Netflix pode até ser uma boa forma de matar tempo, atualizar-se ou até fazer amizades. Contudo, ninguém merece ficar sabendo do desenrolar de um filme ou série porque a pessoa não liga de espalhar spoiler. A pesquisa indica no Brasil 17% dos entrevistados ficaram sabendo de algo que não queriam ao espiar a tela do vizinho.

Ainda que o “compartilhamento espontâneo” esteja aumentando, dividir a tela sem autorização não é algo que a maioria aprova. Enquanto 38% afirmam que fingem que nada aconteceu e continuam assistindo, 23% interrompem a atração e outros 21% cobrem.

Entre os países que mais assistem o serviço de streaming em público em todo o mundo, o México fica em primeiro lugar (89%), seguido da Índia (88%), e Filipinas (86%). Na América Latina, a Colômbia fica na segunda posição (84%), com o Chile na terceira (82%), a Argentina na quarta (78%) e o Brasil na quinta (77%).

Netflix em públicoFonte da imagem: Reprodução/Stefano Aguiar, via Netflix (press)

O levantamento foi realizado pela SurveyMonkey, de 24 de agosto a 7 de setembro deste ano, com base em mais de 37 mil respostas de Estados Unidos, Argentina, Austrália, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, França, Alemanha, Índia, Itália, Malásia, México, Holanda, Filipinas, Polônia, Coreia do Sul, Espanha, Suécia, Taiwan, Tailândia e Turquia.

E você, o que acha disso? Deixa estranhos assistirem o que está vendo assim sem pedir? Ou sai por aí bisbilhotando as séries alheias nos displays por perto?

Este texto foi escrito por Claudio Yuge via Tecmundo.